A doença que destrói os rostos das crianças mais pobres do mundo

Estudo joga luz ao noma, uma infecção aterrorizante, de origem desconhecida, que afeta 140.000 por ano

Uma garota com noma posa num centro da ONG Sentinelles em Zinder (Níger)
Uma garota com noma posa num centro da ONG Sentinelles em Zinder (Níger) ISSOUF SANOGO/AFP/GETTY IMAGES

“Não esconda seu filho em casa”, pede um folheto informativo da Organização Mundial da Saúde (OMS). Dirige-se às famílias de crianças com noma, uma doença negligenciada, de origem desconhecida, que destrói o rosto de suas vítimas em questão de dias. Noma, em grego, significa devorar. E isso é o que ocorre, literalmente. Começa como uma simples úlcera nas gengivas e rapidamente se torna uma gengivite necrosante e ulcerosa que perfura os músculos, a pele e os ossos. Os pacientes desprendem um aroma fétido. A OMS calcula que 140.000 crianças contraem noma a cada ano. Se não receberem tratamento antibiótico, 90% morrem, muitos já sem nariz e com um buraco na cara que deixa a mandíbula à vista. Os que sobrevivem ficam desfigurados para o resto da vida.

“Normalmente tendem a ser afastados da vida cotidiana, sendo escondidos ou isolados com os animais. Porque, muitas vezes, as gangrenas são consideradas um sinal demoníaco ou uma maldição para a família”, contava em 2015 uma equipe de pesquisadores espanhóis encabeçada por María García Moro, especialista em doenças tropicais da Universidade de Salamanca.

As famílias costumam esconder as crianças afetadas ou as isolam com os animais

Uma nova pesquisa lança um pouco de luz sobre os fatores de risco desta peste não contagiosa. Uma equipe da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) analisou 74 casos atendidos no primeiro hospital do mundo dedicado ao noma, estabelecido em Sokoto, uma cidade majoritariamente muçulmana no noroeste da Nigéria. Seus resultados certificam o evidente. O noma se espalha entre as crianças das famílias mais pobres das aldeias mais pobres dos países mais pobres. É a pobreza ao cubo. O principal fator de risco é a miséria.

A primeira pessoa a descrever a doença foi o médico holandês Carolus Battus, em 1595. O noma era comum na Europa naquela época, e assim permaneceu até o século XIX, quando a nutrição e o saneamento básico melhoraram sensivelmente. Alguns dos últimos casos foram registrados nos campos de concentração nazistas de Bergen-Belsen e Auschwitz. Na Espanha, uma mulher de 50 anos com HIV sofreu noma em 2010. Quando chegou a um hospital de Alicante, a doença já tinha devorado meia bochecha. Exceto por casos isolados como esses, a patologia se concentra nos países mais pobres do planeta, sobretudo no chamado “cinturão do noma”, que percorre a África do Senegal à Etiópia.

“Sabe-se pouco sobre o noma, já que a maioria dos doentes vive em lugares desatendidos e de difícil acesso”, dizem os pesquisadores do MSF, dirigidos pela epidemiologista Elise Farley. “Os pacientes que conseguem chegar a um posto de saúde são poucos e frequentemente já estão muito doentes. A maioria dos afetados pelo noma morre duas semanas depois dos primeiros sintomas se não receber tratamento”, detalha Farley. Na gangrena de seus rostos é possível identificar uma multidão de espécies de micróbios, como a Fusobacterium necrophorum e a Prevotella intermedia, mas se desconhece o que desencadeia a infecção.

O sarampo é investigado como potencial desencadeante do noma

Os especialistas têm diferentes hipóteses sobre a mesa. Os fatores de risco conhecidos incluem a pobreza, a desnutrição, a falta de higiene oral, a convivência com o gado e infecções prévias, especialmente o sarampo, segundo os estudos pioneiros de Cyril Enwonwu, um médico nigeriano da Universidade de Maryland (EUA) empenhado há mais de duas décadas em encontrar o culpado do noma. No entender de Farley, esses fatores diversos se unem e criam “uma tempestade perfeita” para que o noma surja.

O novo estudo do MSF culpa uma dieta pobre e monótona, com crianças alimentadas todos os dias com as mesmas papas de milho. Os pesquisadores também apontaram o consumo do colostro – o primeiro leite que dá uma mãe – como um fator protetor contra o noma. O trabalho, entretanto, não pôde estudar o potencial efeito do sarampo como desencadeante, já que não existe nada parecido com um histórico clínico dos pacientes. Além disso, a cobertura de vacinas na região é tão baixa que impede de comparar as crianças com e sem noma. Só 2 dos 74 pacientes com noma (2,6%) haviam sido vacinados contra o sarampo. Nas crianças sem noma escolhidas como referência nos mesmos povoados, a percentagem mal alcançava 6,8%. “É necessária mais pesquisa para compreender melhor a origem desta doença”, pede a equipe de Elise Farley em seu estudo, publicado na revista especializada PLOS NTD.

A OMS recorda que o noma, às vezes, é chamado de “o rosto da pobreza”. A análise da equipe de María García Moro corrobora: “O noma pode ser considerado um indicador biológico de múltiplas violações dos direitos humanos, incluído o direito à alimentação”.

Em alguns casos, porém, há um final feliz ou, pelo menos, não tão desventurado. Os cirurgiões do MSF operaram o rosto de 243 sobreviventes do noma em 2017. “Alguns pacientes disseram que depois da cirurgia foram bem acolhidos de volta às suas comunidades e podem ir à escola ou se casar”, comemora Farley.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *