Ala do Governo defende reajuste mensal do diesel

Blog do Valdo Cruz

Desde que a Petrobras decidiu mudar a sistemática de reajuste do diesel, passando para correções no mínimo quinzenais, uma ala do governo do presidente Jair Bolsonaro já defendia internamente que eventuais aumentos no preço do combustível fossem mensais. A preocupação era com o impacto, principalmente, no bolso dos caminhoneiros, que já vinham reclamando da disparada do diesel neste início de ano.

O tema vinha sendo discutido no Palácio do Planalto. Fez parte, inclusive, de reuniões com o próprio presidente da República. No mês passado, quando decidiu passar o reajuste para correções, no mínimo, a cada quinze dias, a estatal já atendia um pedido presidencial depois de o tema ter sido discutido entre Bolsonaro e sua equipe.

À época, segundo relatos de assessores do presidente, a preocupação era evitar repetir os erros cometidos pelo ex-presidente Michel Temer, que chegou a ser alertado de uma possível paralisação dos caminhoneiros, mas não agiu. A categoria acabou fazendo uma paralisação de quase duas semanas, que praticamente parou o país.

Agora, às vésperas de um reajuste de 5,74% no preço do diesel, os caminhoneiros reclamaram de novo com o governo. Resultado: Bolsonaro interferiu, e a estatal decidiu segurar por mais “alguns dias” o aumento no valor do combustível. Uma interferência que vai gerar desgaste a um governo que diz seguir uma agenda liberal.

Assessores do Ministério da Economia estão apreensivos porque o tema vai se tornar uma queda de braço dentro do governo.

De um lado a equipe econômica. De outro, setores do governo que defendem um reajuste no mínimo mensal e até medidas para atenuar as oscilações de preço dos combustíveis.

Uma disputa que não estava prevista num governo dito liberal na economia.

Para tentar atenuar o desgaste, que já se reflete hoje na queda das ações da estatal, a Petrobras fez questão de anotar no comunicado divulgado ontem, quando anunciou que estava segurando o reajuste, que está mantida a regra de seguir a paridade dos preços internacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *