Aniversário de São Paulo: dez fotos que mostram como era a cidade em meados do século 20

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand em construção, projeto de Lina Bo Bardi, avenida Paulista, São Paulo, 1966Scheier registrou a construção do Masp em 1966

A construção do Museu de Arte de São Paulo (Masp), em 1966, foi um dos muitos temas arquitetônicos presentes nos ensaios do fotógrafo Peter Scheier, alemão de origem judaica que fez carreira no Brasil.

A convite do colecionador Pietro Maria Bardi, que junto com Assis Chateaubriand foi o responsável pela criação do museu, Sheier registrou a construção do que viria a ser um dos principais cartões postais da cidade.

No ensaio, há fotos das paredes subindo, dos andaimes, do piso e do teto ainda sem as enormes janelas de vidro, das colunas ainda sem a característica cor vermelha e dos trabalhadores trazendo à vida o projeto da arquiteta Lina Bo Bardi.

Esses retratos e dezenas de outras imagens de São Paulo feitas por ele entre 1940 e 1960 estão na mostra restrospectiva sobre Scheier no Instituto Moreira Salles (IMS), em São Paulo, que será aberta ao público neste sábado (25), aniversário de 466 anos da cidade. O IMS fica na avenida Paulista, 2424.

Scheier chegou à capital paulista em 1937, fugindo da perseguição aos judeus na Alemanhã nazista. Em sua terra natal era comerciante e contador, mas chegou aqui com uma carta de recomendação para trabalhar em um açougue, depois foi vendedor de cúpulas de abajur.

Fotógrafo amador, ele começou a fazer do hobby uma profissão, e conseguiu abrir um estúdio de fotografia nos anos 1940.

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand em construção, projeto de Lina Bo Bardi, avenida Paulista, São Paulo, 1966Com projeto de Lina Bo Bardi, Masp foi construído em 1966

Começou fazendo retratos e fotos de eventos sociais, como casamentos e batizados. Depois ficou conhecido como fotógrafo de arquitetura, trabalhando como nomes que marcaram o modernismo no Brasil: Gregori Warchavchik, Rino Levi, Carlos Bratke e Lina Bo Bardi.

Também registrou cenas do cotidiano para a revista O Cruzeiro, mostrando a vida nos bairros do Brás e de Santo Amaro.

Crescimento e euforia

Chamado para montar um livro que promoveu São Paulo no exterior — São Paulo, a Cidade que Cresce Mais Rápido no Mundo — Sheier mostra uma visão de São Paulo como uma cidade que está crescendo, se expandindo e que pode gerar muitos negócios, segundo Heloisa Espada, curadora da exposição do IMS e que pesquisou durante dois anos o acervo do fotógrafo.

“Há um otimismo com o crescimento, (a obra) registra a euforia dos anos 1950”, diz Espada.

Lutadoras de luta livre no centro de São Paulo, 1950. Foto para a reportagem "As belas viram feras", O Cruzeiro, ano XXII, n. 50, 30.09.1950
Para a revista O Cruzeiro, Scheier fez fotos de lutadoras de luta livre passeando no centro de São Paulo
Lutadoras de luta livre, São Paulo, 1950. Foto para a reportagem "As belas viram feras", O Cruzeiro, ano xxii, n. 50, 30.09.1950As lutadoras também foram registradas para a reportagem ‘As belas viram feras’, de O Cruzeiro

“Um dos motivos pra ele ter sido escalado provavelmente é porque ele realmente achava isso sobre a cidade”, diz Lucas Lenci, neto do fotógrafo.

“Ele tinha uma visão positiva, primeiro de ter sido uma cidade que o recebeu quando ele precisou fugir da perseguição. Depois, chegando aqui, ele se encantou com a cidade, ficou contente que foi bem recebido, que ninguém se importava que ele era judeu.”

“Dá para ver que ele tinha ele encantamento, esse desejo de explorar. Ele era um cara muito sensível, tinha um fascínio muito grande por uma terra que era mto diferente da onde ele veio”, diz o neto.

No entanto, ao mesmo tempo em que mostrava a São Paulo otimista com o crescimento, ele também registrou a pobreza e os problemas para a revista O Cruzeiro, explica Heloisa Espada.

Bairro de Santo Amaro, São Paulo, 1948. Foto para a reportagem "Santo Amaro, refúgio de paulistanos", O Cruzeiro, ano XX, n. 14, 24.01.1948Scheier fez fotos do bairro de Santo Amaro em 1948, quando a região ainda era bastante campestre
Bairro de Santo Amaro, São Paulo, 1948. Foto para a reportagem "Santo Amaro, refúgio de paulistanos", O Cruzeiro, ano XX, n. 14, 24.01.1948
Registros foram publicados na reportagem ‘Santo Amaro, refúgio de paulistanos’, em 1948

“O trabalho dele mostra vários aspectos da cidade”, afirma a curadora. “O trabalho para a Cruzeiro passa muito pelo tipo de jornalismo que tentatava chamar atenção para curiosidades, uma coisa mais sensacionalista que via a classe média branca e urbana como padrão.”

“Ele mostra muita pobreza, crianças com deficiência, pessoas doentes, trabalhadores do circo, sempre de um jeito sensacionalista”, diz ela. “Ele acaba revelando meio involuntariamente essa contradição entre o crescimento da cidade, o nascimento das instituicões modernas, e esse outro lado mais pobre e com problemas.”

Para a revista O Cruzeiro, Scheier registrou trabalhadores do circo Piolin em 1945, paulistanos passeando no bairro de Santo Amaro — que ainda era bastante campestre — em 1948, lutadoras de luta livre em 1950 e os cortiços do bairro do Brás.

Seu trabalho ficou conhecido também pelo registro da construção de Brasília nos anos 1950.

Cortiço no Brás, São Paulo, 1947. Foto para a reportagem "O Braz", O Cruzeiro, ano XIX, n. 27, 26.04.1947
Scheier fez fotos de cortiços no Brás em 1947
Crianças no bairro do Brás, São Paulo, 1947
Ele também registrou as crianças do bairro do Brás

Mesmo com o sucesso na carreira, Scheier se aposentou cedo. Aos 58 anos voltou para a Alemanha para morar em um prédio preparado para pessoas idosas — que tinha rampas, farmácia e supermercado no condomínio para os idosos não precisarem sair na rua no inverno.

“Era muito diferente. Imagina que, aos 60 anos, ele já achava que estava no final, que já tinha feito o que tinha que fazer”, diz Lucas.

Ao chegar no Brasil, em 1937, Scheier tinha abdicado de sua cidadania alemã.

“Ele ficou muito muito triste, muito chateado, muito decepcionado, acho que até envergonhado (da situação na Alemanha antes da Segunda Guerra)”, conta o neto Lucas, que soube de tudo pelos relatos de sua avó.

Mas, 30 anos depois, abriu mão da cidadania brasileira e virou alemão de novo.

“Acho que foi um período para ele curar a ferida”, diz Lucas. “Ele morreu na Alemanha, junto com a minha avó, onde ficou fazendo trabalhos audiovisuais no fim da vida.”

Circo do palhaço Piolin, São Paulo, 1945
Em 1945, Scheier registrou o circo Piolin para a revista O Cruzeiro
Montagem da I Bienal do Museu de Arte Moderna de São Paulo, esplanada do Trianon, avenida Paulista, 1951. René d'Harnoncourt, diretor do moma, entre duas pessoas não identificadas; à esquerda, pinturas de Yves Tanguy: Divisibilidade indefinida (1942), Os transparentes (1951) e Lentamente para o norte (1951); à direita, móbile Ogunquit (1946), de Alexander CalderEle também fez fotos da montagem da primeira Bienal, em 1951

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *