bebidas com açúcar pode elevar risco de câncer de endométrio

De acordo com estudo, mulheres na pós-menopausa que tomam bebidas açucaradas têm risco até 78% maior de desenvolver tipo mais comum da doença

Mulher tomando sucoO câncer de endométrio costuma acometer as mulheres que já passaram pela menopausa (Thinkstock)

Sucos, refrigerantes e outras bebidas com açúcar podem elevar a chance de uma mulher na pós-menopausa a desenvolver o tipo mais comum de câncer de endométrio, relacionado ao excesso do hormônio estrogênio. Essa é a conclusão de um estudo publicado nesta sexta-feira no periódico Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention. Segundo os pesquisadores, quanto mais bebidas açucaradas as mulheres tomam, maiores são os riscos da doença.

Câncer de endométrio

O endométrio é o tecido que reveste a parte interna do útero, composto por células que descamam e resultam na menstruação. O câncer de endométrio costuma acometer as mulheres após a menopausa. Seu sintoma mais comum, presente em 95% dos casos, é o sangramento uterino anormal. Segundo o A.C. Camargo Cancer Center, trata-se do quinto tipo de câncer mais comum entre mulheres no Brasil.

Resultado: Os pesquisadores encontraram uma possível relação proporcional entre o consumo de bebidas açúcaradas e o aumento do risco de desenvolver o tipo mais comum de câncer de endométrio

Ainda não se sabe exatamente qual é a relação entre os dois elementos. O fato de as bebidas estarem associadas apenas ao aumento dos riscos do câncer ligado ao estrogênio, porém, reforça a tese de que o açúcar pode provocar obesidade, condição que aumenta a produção de estrogênio e é, por isso, considerada fator de risco para a moléstia.

Pesquisa — No estudo, os pesquisadores analisaram dados das dietas de 23 039 mulheres na pós-menopausa de 1986 a 2010. Nesse intervalo, houve 506 casos de câncer de endométrio ligado ao estrogênio, e 89 casos do tipo mais raro da doença, sem ligação com o hormônio.

O risco de desenvolver a enfermidade foi proporcional à quantidade de líquidos açucarados consumidos pelas mulheres: as que tomavam maior quantidade — cerca de 60 copos por semana — apresentaram 78% mais risco do que as voluntárias que não ingeriam esse tipo de alimento. Os autores afirmam que outros estudos, com mais voluntárias, são necessários para confirmar os resultados.

Fonte: Veja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *