Bolsonaro desistiu de Janaina Paschoal de vice por medo de ela pedir seu impeachment

Bolsonaro, no entanto, não ficou tranquilo com a escolha de Hamilton Mourão como vice

Bolsonaro e Janaína Paschoal (Montagem)

Em trecho do livro “Tormenta”, divulgado nesta quinta-feira (16), a jornalista Thaís Oyama, ex-redatora-chefe da revista Veja, afirma que a razão pela qual a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) não foi vice na sua chapa presidencial foi revelada pelo próprio Jair Bolsonaro: “Essa mulher vai pedir meu impeachment”, disse à época.

Bolsonaro, no entanto, não ficou tranquilo com a escolha de Hamilton Mourão como vice. Ao longo do primeiro ano de governo, sua relação com o general foi marcada pela tensão. O presidente desconfia que o vice cobiça o cargo máximo da República e, por isso, conspira contra ele.

“Num fim de semana de outubro, enquanto tomava água de coco na beira da piscina do Alvorada com um amigo, o presidente disse que, apesar do receio que tinha de ser alvo de drones, gostava de conversar ao ar livre porque dificilmente seria grampeado”, escreve Oyama. “Seu temor, confidenciou, era ser espionado por Mourão.”

A mania de perseguição de Bolsonaro chegou também ao Congresso. Segundo Oyama, o presidente determinou que assessores do amigo e deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), conhecido como Hélio Negão, se dediquem a “caçar esquerdistas” no segundo escalão dos ministérios, o que implica vasculhar redes sociais atrás de menções a Lula, por exemplo.

“Jair Bolsonaro tem raciocínio binário, dizem conhecidos de longa data”, registra a autora. “Quem não é seu amigo é seu inimigo. E enquanto os amigos de verdade são poucos, os inimigos estão em toda a parte.”

Com informações da Folhapress

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *