Camacho, o líder dos protestos na Bolívia que quer “devolver a Deus o Palácio do Governo”

Católico fervoroso, este líder oposicionista costuma pronunciar seus discursos com um terço na mão. Membro da elite boliviana, ele visitou o chanceler Araújo em Brasília em maio

Luis Fernando Camacho durante um protesto contra Evo Morales este domingo.
Luis Fernando Camacho durante um protesto contra Evo Morales este domingo.

O líder do movimento cívico que derrubou Evo Morales, Luis Fernando Camacho, não para de pedir. Ao longo da crise boliviana, suas demandas aumentaram rapidamente: primeiro, segundo turno das eleições; depois, novas eleições; depois, a renúncia do presidente e, agora, a de todos os parlamentares governistas e dos membros tribunais de Justiça. Nesta segunda-feira ele tentou moderar sua posição fazendo um chamado a uma transição constitucional.

Camacho não acredita no sistema político tradicional, mas apenas no “povo” que ele liderou durante o protesto que terminou com a renúncia de Morales e que agora o adora. Pela primeira vez em muitas décadas, um líder de Santa Cruz tem enorme popularidade e influência em todo o país, inclusive no oeste, geralmente mais inclinado à esquerda e enciumado do poder econômico e político da terra de Camacho.

Até onde esse personagem chegará? Ninguém sabe ao certo. Ele e seu principal companheiro, o líder cívico de Potosí, Marco Pumari, são recém-chegados ao cenário político boliviano. Lideraram o movimento por causa de sua condição de presidentes de comitês civis, associações empresariais e organizações de bairro das nove regiões, na Bolívia conhecidas como departamentos. Normalmente, esses comitês se ocupam de reivindicações regionais e são comandados pelas elites locais. Camacho, filho do empresário do ramo de seguros e ex-presidente do mesmo comitê que ele agora lidera, José Luis Camacho, é membro da elite de Santa Cruz. Tem 40 anos e nunca participou de política antes. Ele se projeta como a renovação da política e não esconde suas críticas e antagonismos com os líderes tradicionais da oposição: Carlos Mesa e Samuel Doria Medina.

Católico fervoroso, nos últimos dias quis levar uma carta de renúncia já escrita para Morales, para que este a assinasse, e fez isso “armado somente com a Bíblia”. Além disso, geralmente pronuncia seus discursos com um terço na mão e se ajoelha para rezar em público. Uma de suas metas é “devolver a Deus o Palácio do Governo”, dada a secularidade do Estado promulgada na Constituição de 2006. Seu catolicismo se estendeu a todo o movimento, que realizou greves, bloqueios nas vias de comunicação, vigílias, missas e orações públicas, entre outras atividades.

Luis Fernando Camacho, de joelhos, em um protesto.
Luis Fernando Camacho, de joelhos, em um protesto.

Visita ao Brasil e conversa com o chanceler

Em maio, já em plena campanha contra a candidatura à reeleição de Morales (conseguida por meio de uma manobra judicial), Camacho veio ao Brasília e se reuniu com o chanceler Ernesto Araújo. Depois, postou um vídeo em que dizia que o Brasil era “garantidor” da Constituição boliviana e iria apoiar o questionamento da candidatura do boliviano na CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos), o que não aconteceu. Segundo o Itamaraty, a audiência foi agendada pela deputada bolsonarista Carla Zambeli (PSL-SP). Segundo o jornal Valor Econômico, o líder da revolta boliviana também esteve no Planalto, para se reunir com o assessor internacional da presidência, Filipe Martins.

Em Santa Cruz, uma região com influência de produtores rurais brasileiros lá radicados, Camacho e o grupo de líderes que ele lidera foram relacionados a Branco Marincovich, um dos oponentes de Morales que, acusado de “separatismo e terrorismo”, vive no exílio. São regionalistas, liberais em questões econômicas, direitistas em política e radicalmente opostos ao ex-presidente Morales. Na política interna, eles antagonizam com o partido do atual governador de Santa Cruz, Rubén Costas, um oposicionista moderado, e é por isso que apoiaram Carlos Mesa nas últimas eleições, em vez de se juntar ao que era supostamente o candidato regional, Oscar Ortiz, que era a cartada de Costas. Esse apoio permitiu a Mesa vencer em Santa Cruz e isso, por sua vez, impediu que Morales saísse claramente eleito.

“Macho Camacho”, como é chamado, desperta a admiração e simpatia da população que saiu às ruas. Agradecem-no por “libertar o país do ditador”. Elogiam sua virilidade e presença física. Nas redes sociais é tão popular, ou até mais, que astros da música. Camacho tem um sorriso e um abraço para todos. Ele transita sem problema entre “collas”, a população da zona indígena da Bolívia, e “cambas”, o povo do leste do país, majoritariamente opositor de Morales, entre “índios” e “qharas” maneira depreciativa de chamar a população branca. E quando lê seus discursos, sempre envia agradecimentos à sua família e sua região. Com seu aspecto de garoto justiceiro e implacável, seu radicalismo, que não ficou na retórica, constitui a antítese dos dirigentes governistas e opositores do ciclo político anterior. E é por isso que ele é o homem do momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *