Carlos Bolsonaro será convocado para CPI das Fake News, diz presidente

(Brasília - DF, 07/09/2019) Desfile Cívico por ocasião do Dia da Pátria.rFoto: Isac Nóbrega/PR
(Brasília – DF, 07/09/2019) Desfile Cívico por ocasião do Dia da Pátria.rFoto: Isac Nóbrega/PR

Do Congresso em Foco – Criada para apurar denúncias de utilização das redes sociais para difamar candidatos nas eleições presidenciais de 2018, a CPI das Fake News deve entrar em ebulição nas próximas semanas.

O presidente da comissão parlamentar mista de inquérito, senador Angelo Coronel (PSD-BA), diz que o vereador Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente Jair Bolsonaro, será convocado pela CPI.

Ele acusa ainda o PSL de agir nos bastidores como “se tivesse culpa no cartório”.

“O presidente não cansa de dizer que o filho foi responsável por suas redes sociais. Como tem processo aberto no TSE das eleições de 2018, nada como o próprio Carlos vir para dizer se houve irregularidade”, disse o senador ao Congresso em Foco.

“Precisamos ouvir todos os atores das redes sociais que podem ter influenciado as eleições. Não é importa se é filho ou pai de alguém. A lei tem de ser para todos. Não vou pender para o governo nem para a oposição”, acrescentou.

O senador avisa que mandará prender em flagrante delito por falso testemunho quem “faltar com a verdade” no colegiado. O Congresso em Foco não conseguiu contato com o vereador, atualmente licenciado do mandato.

Coronel afirma que Bolsonaro não pode ser alcançado diretamente pela CPI, mas pode sofrer os efeitos das conclusões da comissão se o Tribunal Superior Eleitoral constatar que houve irregularidades em sua campanha.

A CPI já convocou representantes no Brasil do WhatsApp, do Facebook, do Instagram, do Google, do Youtube e do Twitter. As empresas terão de explicar, entre outras coisas, como foram feitos e quem pagou disparos maciços de conteúdo.

O presidente da CPI critica a tentativa de representantes do PSL, como o senador Flávio Bolsonaro (RJ), irmão de Carlos, e os deputados Filipe Barros (PR) e Caroline de Toni (SC) de adiar os trabalhos.

No mês passado Filipe foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir as investigações. A comissão tem como relatora a senadora Lídice da Mata (PSB-BA).

“Eles tiveram a postura de quem tem culpa no cartório, tentaram adiar o início das investigações, protelar, não votar requerimento. Não entendo o porquê. A CPI não tem rótulo para investigar A, B ou C. É para investigar o uso criminoso das redes sociais. Não sei por que temem”, criticou.

Segundo Angelo Coronel, a CPI também vai avançar com propostas para aperfeiçoar a legislação sobre as redes.

“Esta CPI não vai acabar em pizza. Precisamos legislar sobre o que fazem com nossos dados nas redes sociais. Vendem nossas informações sem nos pedir autorização. Eles sabem tudo da nossa vida privada.”

Engenheiro e empresário, Coronel exerce seu primeiro mandato federal desde fevereiro. O senador foi prefeito de Coração de Maria (BA), município de 30 mil habitantes, e deputado estadual por três legislaturas. Também presidiu a Assembleia Legislativa baiana.

De acordo com o Congresso em Foco, no Senado tem adotado postura de independência em relação ao governo. No estado é aliado do governador Rui Costa (PT).

Veja a entrevista do senador ao Congresso em Foco:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *