Com reajuste de 3,43%, teto do INSS vai a R$ 5.839

Correção vale para aposentados e pensionistas que ganham acima do mínimo

POR MARTHA IMENES

Segundo Marcos Bulgarelli, presidente do sindicato, o reajuste não repõe a perda salarial dos aposentadosdivulgação

Os cerca de 11,7 milhões de aposentados e pensionistas do INSS que ganham mais que o salário mínimo (R$ 998) vão receber reajuste um pouco maior esse ano: 3,43%. O índice divulgado ontem pelo IBGE equivale ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado de janeiro a dezembro de 2018. No ano passado os segurados amargaram reajuste modesto de 2,07%. Com aumento em 2019, o teto previdenciário, valor máximo pago pelo instituto, deve ficar em R$ 5.839,45.

Com a correção, que sairá este mês, o segurado que recebia R$ 1.200 de aposentadoria em 2018, por exemplo, passará a receber R$ 1.241,16. Já os que têm R$ 2 mil de benefício passarão a ganhar R$ 2.068,60 brutos, sem considerar o desconto do Imposto de Renda.

Já os segurados que recebem um salário mínimo terão reajuste maior. O valor mínimo pago nas aposentadorias e pensões que seguem o piso, que passou de R$ 954 para R$ 998, equivale a um aumento de 4,6%. Vale lembrar que no ano passado, o reajuste dos benefícios acima do mínimo foi de 2,07%, enquanto a variação do salário mínimo foi de apenas 1,81%. Esse foi o reajuste mais baixo que os aposentados tiveram em 24 anos.

Apesar de o valor ser um pouco mais elevado, não repõe a perda salarial de segurados do INSS. O alerta é de Marcos Bulgarelli, presidente do Sindicato Nacional de Aposentados Pensionistas e Idosos (Sindnapi), ligado à Força Sindical.

“Talvez o dia que algum governo reconhecer que, como a Previdência Social é o maior programa de distribuição de renda do país, os benefícios pago por ela mereçam ser valorizados. Mas enquanto isso não acontece, apesar dos nossos protestos, vamos assistindo a aplicação desse reajuste sem nenhum aumento real”, lamenta Bulgarelli.

Créditos

 

O anúncio oficial do reajuste deve ocorrer segunda-feira. Conforme a Secretaria da Previdência, os novos valores serão creditados para os segurados na folha de janeiro, entre 25 de janeiro e 7 de fevereiro.

As datas variam de acordo com valor a ser recebido pelo segurado e o número final do benefício, sem considerar o dígito. Por exemplo, se o número é 123.456.789-0, o segurado deve desconsiderar o 0 (dígito). O número final é 9.

Governo estuda fazer Reforma da Previdência única, sem ser fatiada

O governo deve apresentar uma proposta única de Reforma da Previdência, e não mais “fatiada”, segundo informou o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Com isso, não seriam levadas propostas avulsas para categorias específicas.

“Estamos discutindo dentro da equipe técnica e a tendência é uma única proposta preparando o sistema para o futuro. É a tendência nesse momento”, disse.

Isso não significa que os militares serão incluídos na reforma preparada pelo governo Bolsonaro. A possibilidade ainda está em estudo pela equipe técnica coordenada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. O novo comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, reforçou o posicionamento dos militares. Assim como outros generais, ele também é contrário à inclusão dos militares na reforma.

Na opinião do general, o sistema previdenciário das Forças Armadas não deveria ser modificado. “A intenção minha, como comandante do Exército, se me perguntarem, é que nós não devemos modificar o nosso sistema”.

Segundo Lorenzoni, haverá “reunião preparatória” na segunda-feira para tratar do assunto, mas a proposta só será levada ao presidente n

Marcos Bulgarelli: ‘Apesar dos nossos protestos, assistimos a aplicação desse reajuste sem aumento real’DIVULGAÇÃO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *