Disputa na Comissão de Direitos Humanos tem como pano de fundo briga entre igrejas

Por Arthur Cunha –

A informação de bastidor na Assembleia Legislativa é que a disputa pela Presidência da Comissão de Direitos Humanos tem como pano de fundo, na verdade, uma briga silenciosa entre igrejas evangélicas por espaço. A candidatura de Clarissa Tércio, filha do Pastor Francisco Tércio, seria uma movimentação do PSC, dos irmãos Ferreira, para enfraquecer a liderança e o protagonismo do Pastor Cleiton Collins, que também integra o colegiado.

Cleiton Collins é aliado do Pastor Ailton, da poderosa Assembleia de Deus Convenção Recife. Ele é adversário dos Ferreira, que, por sua vez, têm vinculação com o Pastor Tércio, da Novas de Paz. A disputa, em sua essência, envolveria essas duas lideranças evangélicas. Outro deputado evangélico, o Presbítero Adalto também integra o time do Pastor Ailton.

Nesse cenário, as codeputadas Juntas é que perderiam o espaço, já que houve, sim, um acordo entre as lideranças do governo e da oposição para elas ficarem com a Presidência do colegiado. Há quem diga, nos bastidores, que elas estão sendo usadas. A eleição do novo presidente da Comissão de Direitos Humanos ficou para esta quinta. Se não houver consenso até lá, teremos um bate-chapa.

(Blog do Magno)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *