Educação, liberdade e democracia

Frederick Douglass, ca. 1879.  George K. Warren. (National Archives Gift Collection)
Shot Unknown
Frederick Douglass, ca. 1879. George K. Warren. (National Archives Gift Collection) Shot Unknown

Por Aldemir Teles

“Não devemos acreditar dos muitos que dizem que só as pessoas livres devem ser educadas, deveríamos antes acreditar nos filósofos, porque dizem que apenas as pessoas educadas são livres (Epicteto, filósofo romano e ex-escravo).

Frederick Bailey era escravo, ainda menino em Maryland, EUA, na década de 1820, não tinha nem mãe, nem pai que olhasse por ele. Era costume separar os filhos das mães antes de a criança completar um ano. Martelava-se na cabeça dos escravos a noção de que eles eram inferiores por hereditariedade, que Deus os destinara à desgraça. A regra era que os escravos deviam continuar analfabetos. Os brancos que ensinassem um escravo a ler eram severamente punidos. “Para criar um escravo satisfeito, é necessário criá-lo estúpido. É necessário obscurecer sua visão moral e intelectual, e, na medida do possível, aniquilar o poder da razão”, escreveu Bailey tempos depois.

Condenado a uma vida de trabalhos pesados, sem nenhuma perspectiva de um futuro digno, Bailey foi trabalhar na casa do capitão Hugh Auld e sua mulher Sophia, mudando-se do trabalho do campo para o trabalho doméstico. Ali descobriu o que chamava de o “mistério” da leitura.

Naquele ambiente, ele se deparava com as letras, livros e pessoas que sabiam ler, todos os dias. Assim, passou a memorizar as letras do alfabeto, tentava compreender os sons que elas representavam. Passou a ter a ajuda de Sophia, mulher do capitão, impressionada que estava com a inteligência e aplicação do menino.

Quando o capitão Auld descobriu o que estava se passando, ordenou a esposa para parar com as lições e, na presença de Bailey, explicou: “Um preto deve saber apenas obedecer ao seu senhor. O conhecimento estragaria o melhor preto do mundo. Se você ensinar esse preto a ler, não poderemos ficar com ele. Isso o inutilizaria para sempre como escravo”.

Bailey descobriu naquele instante o grande segredo do poder do homem branco de escravizar o homem negro. “A partir daquele momento, eu compreendi qual era o caminho da escravidão para a liberdade”, escreveu. Sem mais ajuda, Frederick encontrou formas de continuar a aprender a ler. Essa capacidade teve um papel-chave para a sua fuga para a Nova Inglaterra, onde a escravidão era ilegal e os negros livres. Daí em diante o ex-escravo tornou-se um dos maiores oradores, escritores e líderes políticos na história americana, foi consultor do presidente Abraham Lincoln durante a Guerra Civil. Em fevereiro de 1895, Bailey sofreu um colapso e faleceu.

Frederick Bailey conseguiu ensinar a si mesmo o caminho para o conhecimento e reverter a falta de perspectiva de um futuro promissor.

Passados quase três séculos da história de uma criança escravizada, como alguém nos tempos atuais, com maior acesso à escola, aos livros e à comunicação continuaria incapaz de ler?

No Brasil, são 11,3 milhões de analfabetos acima dos 15 anos.

Além desses, 27% da população são analfabetos funcionais, categoria que têm muita dificuldade de entender e se expressar por meio de letras e números em situações cotidianas, como fazer contas de uma pequena compra ou identificar as principais informações em um cartaz de vacinação. Evidente que as causas são complexas, entre elas, o fato de a educação ter sido sempre utilizada como forma de perpetuação do status quo e nada mais faz do que reproduzir a excludente divisão social, antes da divisão racial.

Mais realistas e objetivas do que as causas, são as consequências do analfabetismo. O ônus do analfabetismo é muito alto para a nação, representa um modo de escravidão e exclusão social e são vários: o custo de despesas médicas e hospitalização, o custo de crimes e prisões, o custo de produtividade perdida e de potenciais inteligências brilhantes que viessem a contribuir com o desenvolvimento do país e superar as inúmeras questões sociais.

Juntas, tais consequências do analfabetismo se engrenam para formar um tipo de máquina do fracasso perpétuo que destrói o sonho de geração a geração.

O problema do analfabetismo e da educação influi negativamente todos os setores que determinam o desenvolvimento de uma nação, entre eles, a própria democracia.

“As democracias contemporâneas vivem sob o temor permanente da influência dos ignorantes”, destacou o economista John Kenneth Galbraith. A frase nos leva a refletir sobre o Brasil atual.

A dificuldade de dialogar sobre as questões nacionais que envolve desde o simples eleitor, até as mais altas autoridades, reflete a incapacidade de argumentar, expondo crenças e ódios de todas as espécies, enquanto o País segue devendo pautas desenvolvimentistas ainda do século XX.

(Extraído do Blog do Jamildo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *