Embasa e Prefeitura de Uauá, uma parceria que deu certo com desperdício de água e ruas tomadas pelo mato, lixo, buracos e escuridão; veja vídeo

 

Da Redação

Em Uauá, a bagunça causada pela administração da mudança e a Embasa é a mesma. Uma dobradinha que deu certo demonstrando não ter compromisso e responsabilidade com a vida das pessoas. É uma ajudando a outra a prejudicar a vidas da população. No dia hoje (06), moradores tiveram que apelar mais uma vez para a reportagem do AP para mostrar mais outro descaso, desta vez é sobre a rede de abastecimento de água tratada que está estourada, desperdiçando água, em uma rua totalmente abandonada pela prefeitura que fica por trás da Oficina Baraúna, próximo ao bairro das Populares. Desde cedo a água está jorrando e não aparece uma equipe da Embasa para solucionar o problema.

A rua foi transformada em um riacho. Pelas imagens se observa que a artéria está abandonada há anos pela administração da mudança com matagal espalhado para todos os lados, buracos, lixo, falta de iluminação, saneamento, calçamento, um verdadeiros descalabro colocando em risco a vida dos moradores.

A rua foi transformada em um riacho. O mato e a falta de infraestrutura tiram o sossego dos moradores

“É impossível continuar vivendo em nossa cidade nestas condições. Queremos a nossa Uauá para ser feliz de novo, ninguém suporta mais quatro anos. Hoje vivenciamos três grandes dramas em nossas vidas: o primeiro é pela falta de comando de um prefeito que dorme demais e não anda na rua para ver de perto os problema, só sabe falar em rádio e em redes sociais, vive em um mundo diferente; o segundo são os problemas causados pelo coronavírus que tem deixado a população atordoada e preocupada; e por último, a constante falta de água causada pelos desserviços da Embasa que vem se arrastando há anos e ninguém toma providências. O pouco de água que chega na cidade através da adutora é desperdiçado de maneira cruel e irresponsável como estamos vendo neste vídeo”, relata dona Arlinda de Jesus através deste vídeo abaixo enviado à reportagem do AP.

Já no vídeo, a pessoa que não se identificou, afirma que ligou inúmeras vezes para a Embasa e ninguém atendeu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *