Ex-presidente da Petrobrás chama Bolsonaro de “psicopata” e diz que seu celular tinha provas de crimes cometidos por ele

“Se eu quisesse atacar o Bolsonaro não foi e não é por falta de oportunidade”, disse Roberto Castello Branco durante discussão em grupo de economistas

www.brasil247.com -
 

Samuel Pancher, Metrópoles – Durante uma discussão em um grupo de economistas, o ex-presidente da Petrobras Roberto Castello Branco afirmou que devolveu seu celular corporativo à estatal, ao deixar o comando da empresa, com material que, segundo ele, poderia incriminar o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Castello Branco debatia com Rubem Novaes, ex-presidente do Banco do Brasil, sobre a elevação do preço dos combustíveis. Novaes então diz que o colega economista – primeiro presidente da Petrobras na gestão de Bolsonaro, indicado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes – ataca a atual gestão do governo federal.

“Se eu quisesse atacar o Bolsonaro não foi e não é por falta de oportunidade (sic). Toda vez que ele produz uma crise, com perdas de bilhões de dólares para seus acionistas, sou insistentemente convidado pela mídia para dar minha opinião. Não aceito 90% deles [dos convites] e quando falo procuro evitar ataques”, retruca o ex-presidente da estatal.

Continue lendo no Metrópoles.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.