“Falha da FAB agravou desabastecimento de oxigênio em Manaus”, dizem procuradores

A FAB teria se comprometido com o transporte de cilindros de oxigênio líquido de forma emergencial para abastecer os hospitais do Amazonas, porém, não cumpriu a entrega na data marcada por problemas na aeronave que faria o voo

Do Povo — O cenário desesperador vivido nas unidades de saúde de Manaus, no Amazonas, onde pacientes internados em estado grave com Covid-19 tiveram o risco de morte agravado pela falta de cilindros de oxigênio pode ter sido intensificado por um erro de logística da Força Aérea Brasileira (FAB).

A informação foi apresentada por Procuradores de Justiça na noite desta quinta-feira, 14, em um pedido de tutela de urgência à Justiça Federal. Ação busca pressionar o Governo Federal para que sejam tomadas, em caráter emergencial, medidas que garantam o abastecimento de oxigênio no Amazonas.

No texto, os procuradores afirmam que havia um acordo entre o governo do Amazonas e a União, para que fosse criado um fluxo contínuo de transporte de insumos como oxigênio para o estado. Sendo a FAB, a única entidade capaz de realizar tal transporte em tempo hábil, tendo em vista as características do material, inflamável e volátil, e a urgência no recebimento da carga pelas unidades de saúde da região.

Avião militar C-130, da FAB, com cilindros de oxigênio para tratamento de pacientes de covid-19 em Manaus | Foto: Divulgação.

A FAB, por sua vez, informou apenas na manhã desta quinta-feira, 14, que a aeronave destinada ao transporte do oxigênio para Manaus apresentou problemas técnicos, necessitando de reparo e que por tal motivo as entregas emergenciais seriam suspensas temporariamente.

A simples interrupção do fluxo de entregas foi vista como algo inadmissível diante da morte diária de cerca de 200 pessoas no Amazonas devido a complicações da Covid-19, em alguns casos agravadas pela falta de oxigênio nos hospitais. Assim, no texto, os procuradores frisam a necessidade de que alternativas sejam apresentadas rapidamente pelo Governo Federal.

Outra ação a qual o governo seria obrigado a realizar, caso a Justiça acate os pedidos dos promotores, é o ato de “reconhecer, imediatamente, a relevância das medidas de isolamento social e restrição de atividades determinada pelos governos locais no Amazonas”. Além do reconhecimento, a União seria obrigada a dar todo suporte logístico necessário para a implementação e fiscalização das medidas de isolamento, sendo passível do envio da Força Nacional para atuar na região.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *