Geraldo e o rei Salomão

Opinião

Seria cômico se não trágico o prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), tentar incutir a ideia entre os mas desatentos e desavisados de que cancelou a maracutaia dos R$ 11,5 milhões para compra  de respiradores de porcos tão logo tomou conhecimento, sendo assim está imputado de qualquer dolo. Ora, até as paredes do Palácio do Capibaribe, local em que bate o ponto no dia a dia, sabem que ele é extremamente concentrador, que não autoriza um centavo sequer de despesas dos cofres municipais sem antes passar pelo seu crivo.

Geraldo aprendeu a concentrar igual poder de controle com o ex-governador Eduardo Campos,  vindo da escola de Fernando Bezerra Coelho, a quem serviu, antes da fama, em Petrolina como auxiliar periférico, sem nenhuma significância. Sabia e sabe, portanto, de todos os trâmites da dinheirama que estava sendo mal empregada numa empresa de fachada em Paulinea, no interior de São Paulo. Não conheço o secretário de Saúde, Jailson Correia, mas soube que foi aluno aplicado e é um bom médico.

Só que, por não ser do ramo da política, caiu no precipício, virou um verdadeiro boi de piranha. O boi de piranha, como se sabe, é aquele que se submete ou é submetido a um sacrifício para livrar outra pessoa de uma dificuldade ou da culpa. O culpado dessa irresponsabilidade tem nome, endereço e identidade: Geraldo Júlio de Mello Filho, nascido na cidade do Recife em 1971, auditor concursado do Tribunal de Contas do Estado desde 1992, projetado na vida pública por Eduardo Henrique Accioly Campos.

Desde a morte do guru Eduardo, Geraldo tenta ser o seu sucessor natural, controlador de tudo e de todos, aproveitando a pouca aptidão do governador Paulo Câmara pelo cargo, cujo poder de decisão é restrito, refém do crivo dele (o prefeito). É tamanha a sua ganância que nomeou praticamente todo o primeiro escalão estadual e ainda interferiu em decisões conflitantes para o governador, como a escolha do recém nomeado conselheiro Carlos Neves, para o Tribunal de Contas do Estado.

Geraldo tem que acabar com essa história de querer ser mais sabido do que o rei. Na história da humanidade, existe uma pessoa cujo nome é sinônimo de sabedoria: o terceiro rei judeu, lendário governante Salomão, que guiou seu povo em uma de suas fases mais prósperas. Seus provérbios continuam em voga até hoje, atravessando milênios. O mesmo Salomão dizia que o que cava um buraco cairá nele, e o que faz girar uma pedra passará por cima dele.

Não sabe Geraldo, ainda recorrendo a Salomão, que aquilo que acontece com um, acontecerá também com o outro. Traduzindo em bom português, o mundo desabou na cabeça do secretário, mas ele sabe quem é o responsável pela tragédia. Chego ao fim com o mesmo Salomão: “Dois são melhor que um, porque, se caírem, um levantará o outro. Mas ai de quem estiver sozinho! Quando cair, não haverá outro para levantá-lo”.

Por: Magno Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *