Imbassahy não convoca convenção e PSDB fica sem diretório em Salvador

[Imbassahy não convoca convenção e PSDB fica sem diretório em Salvador]

A comissão provisória ou diretório municipal de Salvador do PSDB não foi estruturada como deveria pela falta de convocação de seus membros. A responsabilidade, de acordo com o presidente estadual do partido, João Gualberto, reeleito no último sábado (11), era do ministro-chefe da secretaria de Governo, Antonio Imbassahy.

Na condição de mais votado, entre os três parlamentares federais da legenda, em Salvador caberia a Imbassahy convocar a convenção municipal para reorganizar as fileiras tucanas na capital baiana, contudo, mesmo tendo duas datas disponibilizadas para realização do ato institucional, nada foi feito.

Para o vereador Tiago Correia (PSDB) houve algum tipo de “lapso” e a situação deve ser resolvida nos próximos dias pela direção estadual. “Provavelmente o diretório estadual deve convocar uma reunião para ver o que se faz agora regimentalmente com a ausência desta eleição que era para ter sido feita”.

Gualberto diz que o espaço permanece com Imbassahy e que ele “não me falou o que levou a não fazer”.

O fato é que diretório municipal ou comissão provisória tem a sua função cartorial atrelada a eleição municipal. Desta forma, estando o ninho tucano desarrumado não surpreende o fato de que haja negligência na organização deste espaço caro na disputa local que acontecerá apenas em 2020.

Para além, a situação de Imbassahy e seu grupo político dentro do PSDB ainda está nebulosa. Embora tenha mantido os espaços dentro do diretório estadual, a possiblidade de saída ainda existe e é crescente na avaliação de tucanos ouvidos pela reportagem e que preferem não ter o nome publicado.

A eleição, em dezembro, da direção nacional do partido determinará os rumos no colegiado estadual. A permanência de Imbassahy na secretaria de Governo voltou a ser assunto neste domingo (12) em matérias que especulam uma saída dentro de 15 dias quando o presidente Michel Temer (PMDB) promete fazer a reforma ministerial.

Por outro lado, correntes internas do próprio PSDB avaliam que o fato de o ex-prefeito de Salvador ter a ficha limpa serve como anteparo para o presidente que tem no círculo próximo assessores denunciados. Imbassahy, cumpre o papel de para-raio também para a sanha do “centrão” que tem apetite fisiológico conhecido desde a redemocratização do País.

Neste sentido, há quem diga que Imbassahy só sairá do governo quando vencer o prazo para se desincompatibilizar com vistas à eleição de 2018. Nesta ocasião também já deve estar definido qual o rumo partidário e eleitoral do ex-prefeito de Salvador. Ele tanto pode sair do PSDB como também pode ser candidato na chapa majoritária ao Senado pelo PSDB ou por outro partido do espectro político do prefeito de Salvador ACM Neto (DEM).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *