Incêndios no Pantanal começaram em latifúndios, aponta investigação da PF

 

Incêndios atingem o Pantanal 26/08/2020
Incêndios atingem o Pantanal 26/08/2020 (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)

Os incêndios que devastaram 25 mil hectares do Pantanal começaram em quatro fazendas de grande porte em Corumbá (MS), segundo investigação da Polícia Federal (PF). A suspeita é que produtores rurais tenham colocado fogo na vegetação para transformação em área de pastagem.

O Pantanal registrou o maior número mensal de focos de incêndio desde o início da série histórica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em 1998.

Os latifúndios são os seguintes:

Califórnia, que pertence Hussein Ghandour Neto e tem 1.736 hectares;

Campo Dania, que pertence a Pery Miranda Filho e à mãe dele, Dania Tereza Sulzer Miranda, e tem 3.061,67 hectares;

São Miguel, que pertence a Antônio Carlos Leite de Barros e tem 33.833,32 hectares;

Bonsucesso, de Ivanildo da Cunha Miranda e tem 32.147,06 hectares.

Pastagem ou especulação?

O engenheiro florestal e militante político Renato Farac, que atua junto ao movimento do campo na Bahia, disse à Prensa Latina que a região do Centro-oeste brasileiro é a que tem maior concentração fundiária. Segundo ele, maior que no Nordeste do País. Os latifúndios, em sua maioria têm acima de 10 mil hectares e são para a criação de gado, produção que muitas vezes se utiliza dos incêndios para aumentar a pastagem dos animais.

Ele afirma, entretanto, que o Pantanal é uma região de pastagem natural e que as queimadas na floresta servem para favorecer o esquema de especulação fundiária. No esquema que ele aponta, os fazendeiros queimam as árvores para expandir suas terras e especular com os novos territórios adquiridos, valorizando-os. Farac diz que isso ocorre através da grilagem, falsificando certificados de posse e notas fiscais.

Ele ainda denuncia o governo de Jair Bolsonaro, que cortou o orçamento destinado ao combate aos incêndios em 58%, segundo dados oficiais do Portal da Transparência. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles – acusado por sua relação com os latifundiários – gastou, até agosto, cerca de R$ 105 mil, que representa um total de 0,4% do orçamento já reduzido.

‘O Pantanal vive uma das piores secas dos últimos 50 anos, mas os incêndios que estão ocorrendo têm uma relação maior com o governo de Jair Bolsonaro do que com as questões climáticas’, disse Farac à Prensa Latina.

‘A região do Pantanal possui uma das maiores concentrações fundiárias do país e, devido a todo apoio e incentivo a destruição para abertura de novas áreas para a grilagem de terras, está nessa situação’, afirmou.

Para ele, ‘a culpa está no governo Bolsonaro e nos latifundiários que, sabendo do período de seca extremamente grave, cortou em 60% os recursos de prevenção e combate a incêndios florestais e acabou com o controle dessa situação com perseguição e censura dos órgãos ambientais’

Ele ainda afirma que ‘um incêndio nestas proporções não ocorre de maneira casual e muito menos de maneira natural. Um bom exemplo foi no ano passado, onde os latifundiários organizaram o ‘Dia do Fogo’ na Amazônia, uma ação coordenada que aumentou os focos de incêndio em mais de 300% de um dia para o outro no estado do Pará’.

O delegado Daniel Rocha, que investiga as queimadas no Pantanal, disse, em entrevista ao programa CNN 360, que quatro proprietários estão sendo observados no momento, suspeitos de terem iniciado os incêndios na região.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *