Justiça manda “hater” indenizar Caetano Veloso por acusação de pedofilia

Flavio Morgenstern, pseudônimo de Flavio Azambuja Martins, foi condenado a indenizar o músico baiano em R$ 120 mil

Foto: Reprodução/Instagram

Criador da hashtag #CaetanoPedofilo, o “hater” e escritor Flavio Morgenstern, pseudônimo de Flavio Azambuja Martins, foi condenado pela 9ª Câmara Cível do Rio de Janeiro a indenizar o músico Caetano Veloso em R$ 120 mil, por disseminar acusações de pedofilia. Martins havia apelado para não desembolsar a indenização determinada em primeira instância.

Na avaliação dos desembargadores do Tribunal de Justiça (TJ), “ao convocar os milhares de seguidores dele para fazerem assédio virtual contra o artista”, Martins “agiu de forma perversa, causando um dano de extensão inimaginável”.

Os desembargadores destacaram, ainda, que Caetano não tem conduta de pedófilo, de acordo com informações da coluna de Ancelmo Góis, em O Globo.

O artista baiano começou a namorar com Paula Lavigne quando ela ainda era menor. Ambos se casaram, tiveram dois filhos e estão juntos há mais de 30 anos.

Trending Topics

Em 21 de outubro de 2017, quando a hashtag atingiu o nível mais alto, no topo dos Trending Topics do Twitter, o escritor publicou as seguintes mensagens em seus perfis nas redes sociais:

“Caetano Veloso e Paula Lavigne processam MBL e Alexandre Frota (sic) por terem-no chamado de ‘pedófilo’. Sugeri subirem uma hashtag, e agora #CaetanoPedofilo está nos assuntos mais comentados do Twitter. E agora, Caetano e a ex-menina de 13 anos vão processar a internet inteira? Entenderam como se faz guerra política com pouco – ou nenhum – dinheiro, só com organização?”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *