Lula só não pode incendiar o país

Coluna Fogo Cruzado – 11 de novembro de 2019
 

Lula deixou a cadeia na última sexta-feira, após 580 dias preso em Curitiba, atirando para todos os lados. Não poupou o presidente Bolsonaro nem os ministros Paulo Guedes e Sérgio Moro, e reservou duras críticas ao procurador Deltan Dalagnol, autor da denúncia que culminou com a sua condenação pelo atual ministro da justiça por corrupção passiva e ocultação de patrimônio. O ex-presidente fez dois pronunciamentos à nação após a decisão do STF, que o colocou em liberdade, não reconhecendo como válida a prisão de réus sem sentença transitada em julgado.

Ambos foram mal alinhavados e sem uma mensagem clara ao povo brasileiro. Aliás, ele sempre foi ruim de improviso e quando não tem algo pronto na cabeça para transmitir aos seus seguidores, abusa do “olha, gente, eu queria dizer uma coisa pra vocês”. E tome frases muita vezes sem nexo. Em todo caso, Lula ainda ostenta o título de maior líder popular do país e o único com estatura política para fazer contraponto ao governo Bolsonaro. Só não tem o direito de desestabilizá-lo porque seria falta de patriotismo. O líder petista promete viajar pelo país a partir de agora para fazer oposição ao governo (direito seu), o que obrigará o presidente da República a reduzir sua taxa de erros e a convencer os brasileiros de que sua política econômica está no rumo certo. (Inaldo Sampaio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *