Marcelo Nilo baixa a bola e conforma em ser vice

 

A escolha do governador Jaques Wagner pelo secretário da Casa Civil, Rui Costa, na disputa para o Governo do Estado nas eleições de 2014, na última sexta-feira (29), repercutiu ontem durante a entrevista com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Nilo (PDT), na rádio CBN Salvador. O deputado reforçou seu discurso de que quer ser governador da Bahia, mas afirmou que se Jaques Wagner chamá-lo para conversar, pode decidir compor a chapa.

“Quero dizer em alto e bom som, eu mantenho minha candidatura. O PDT decidiu ratificar minha candidatura. Agora, se Jaques Wagner chamar o nosso partido e fizer proposta política, vou avaliar. Não quero ser vice, quero ser governador. Rui é favorito com o apoio de Wagner e Dilma, fruto do apoio de todos. Mas se não me chamarem para discutir a chapa, eu manterei minha candidatura”.

Nilo fez uma avaliação do atual governo do PT baiano e criticou a má relação entre Executivo e Assembleia. “O maior erro foi político. Acho que o governador poderia ter relação mais próxima com os deputados. O parlamentar que conhece as demandas dasociedade.

O presidente da Assembleia Legislativa justificou sua ambição de conquistar o Executivo da Bahia, por já ocupar a segunda cadeira mais importante da política, que é a presidência da Assembleia. “Eu gosto de subir mais um degrau, e o próximo degrau é governador, e não vice. O vice é um banquinho entre um degrau e outro. Mas se Deus e o povo quiserem que seja vice, ser vice de Rui será uma honra. É um grande homem público, sério. Se for governador, estou convencido que será melhor que Jaques Wagner porque vai pegar todas as qualidades e os fatos positivos e vai dar continuidade e o que ele achar que tem que ser modificado, ele vai modificar”, opinou o presidente do legislativo baiano.

Informações Tribuna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *