Maus números envenenam candidatura Meirelles

 

Josias de Souza

O MDB sai de fininho da fábula da reeleição de Michel Temer e oferece a Henrique Meirelles dois meses para se firmar como um candidato viável ao Planalto. O primeiro desafio do ex-ministro da Fazenda será explicar os maus números produzidos pelo triunfalismo econômico do governo. A esperança de Meirelles de chegar a 2018 navegando nas águas da prosperidade bateu no iceberg do desemprego.

Há dois anos, a agenda do governo Temer girava em torno de Meirelles. Sabia-se que ela resultaria em qualquer coisa, menos em popularidade. A equipe econômica prometia austeridade e reformas. Dizia-se, contudo, que a recompensa viria na sucessão, na forma de um pujante crescimento econômico. Hoje, há sobre a mesa ruína fiscal e desemprego. E a previsão do PIB de 2018, que era de 3%, foi revisada. Para baixo.

O rigor fiscal sumiu no ano passado, quando o Planalto teve de comprar —com dinheiro de emendas, favores tributários e benesses ilimitadas— o apoio para congelar na Câmara duas denúncias criminais contra Temer. A mexida na Previdência, mãe das reformas, foi trocada por outra prioridade de Temer: não cair. E o crescimento será insuficiente para recuperar a ruína de Dilma Rousseff.

A efervescência do dólar incomoda. Fez o Banco Central interromper a sequência de podas na taxa de juros após uma dúzia de quedas sucessivas. A oscilação no preço internacional do petróleo, cujas altas são repassadas quase que em tempo real para as bombas, inferniza o consumidor e deixa o governo zonzo. Mas nada se compara ao desastre que infelicita o mercado de trabalho.

Além de sofrer com a radiação da amoralidade impopular de Temer, Meirelles entra na campanha arrastando as correntes das estatísticas do IBGE. Elas revelam um drama em quatro camadas. A primeira, mais visível, exibe 13,7 milhões de pessoas à procura de um emprego.

Na segunda faixa, há 6,2 milhões de brasileiros vivendo de bicos e quebra-galhos enquanto procuram por uma colocação melhor. Na terceira camada, há uma legião de 4,6 milhões de criaturas que, tomadas pelo desalento, desistiram brigar por um contracheque. Na última faixa, há 3,2 milhões de esforçados que não podem trabalhar —mães que não têm onde deixar os filhos, por exemplo.

Quer dizer: Meirelles vai à sorte dos votos com o peso dos 70% de reprovação de Temer sobre os ombros e com as correntes do IBGE amarradas no tornozelo. Há na praça pelo menos 27,7 milhões de eleitores desempregados, subempregados, desalentados e desafortunados que não têm grandes estímulos para votar em alguém que fala sobre o futuro sem entregar no presente a prosperidade que prometera há dois anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *