Médicos cubanos são feitos escravos no Brasil, denunciam entidades à OMS e OIT

Por considerar que o Programa Mais Médicos do Governo Federal oferece tratamento análogo à escravidão em relação aos médicos cubanos, representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) viajaram até Genebra, na Suíça, no último dia 6 de novembro, para alertar a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre o programa.

ambulancia

Esta foi a primeira viagem das entidades a Genebra para denunciar o Mais Médicos. Embora nenhum documento tenha sido protocolado na OMS e OIT, os órgãos aceitaram receber a denúncia oralmente.

cubanos1“Acompanhei o presidente do CFM, Roberto Luiz D’Avila, para denunciar não só a falta de condições de trabalho, mas o fato de os médicos cubanos não receberem o salário integral (bolsa) e estarem impedidos, por força de contrato, de saírem das cidades onde trabalham. Essa determinação é escravista e vai de encontro à Constituição Federal”, afirmou o presidente do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), Mario Jorge Lobo. Ele destacou que é contra a forma de contratação do Mais Médicos. “Defendemos que todos sejam submetidos ao Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos). Também sabemos que a melhor forma de suprir a demanda por médicos é realizando concurso público”.

Ato-Medico-Mais-Medicos-SUS-

De acordo com Mário Jorge, as entidades decidiram ir até Genebra por entender que não poderiam apresentar a denúncia à Organização Panamericana de Saúde (Opas). “O órgão apóia o Mais Médicos, além disso a atual presidente é cubana. Achamos que poderia gerar um conflito de interesses”, explicou.

Medicos Cubanos

Mario Jorge informou sobre a ida a Genebra na manhã desta quinta-feira (21), em coletiva de imprensa promovida pelo Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) para apresentar relatório sobre as atuais condições das unidades de saúde do Recife.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *