Misericórdia: Damares anuncia canal para denunciar professores “contra a moral e a família”

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou nesta terça-feira (19) que o governo vai criar um canal para que pais de alunos possam denunciar professores que, durante as aulas, atentem “contra a moral, a religião e a ética da família”.

“O canal está sendo formatado entre os ministérios da Educação e dos Direitos Humanos. Vai ser anunciado em breve. O que queremos é somente o cumprimento da lei. O Brasil é signatário do Pacto de São José da Costa Rica. Lá está dizendo que a escola não pode ensinar nada que atente contra a moral, a religião e a ética da família”, disse a ministra durante uma audiência pública sobre automutilação e suicídio em Belo Horizonte (MG).

Damares afirmou que o canal será anunciado oficialmente ainda este ano, mas não deu detalhes sobre o funcionamento.

A ministra já havia falado sobre o canal de denúncias na segunda-feira, ao compartilhar, no Twitter, uma reportagem sobre o caso de um professor do 6º ano de uma escola de Brasília que teria pedido aos alunos redação sobre sexo oral e anal.

Damares Alves

@DamaresAlves

Essas crianças têm 10 anos!!!

Às famílias brasileiras informo que em breve o governo disponibilizará canal para o recebimento de denúncias de casos como este.

A escola deve ensinar. A educação é direito e dever da família.https://www.metropoles.com/distrito-federal/educacao-df/df-professor-e-afastado-apos-pedir-redacao-sobre-boquete-e-69 

DF: professor é afastado após pedir redação sobre “boquete e 69”

Secretaria de Educação informou que educador é temporário e foi devolvido preventivamente pela Coordenação Regional de Ensino da região

metropoles.com

5.149 pessoas estão falando sobre isso

A gestão Jair Bolsonaro (atualmente sem partido) é crítica de uma suposta doutrinação e pregação da “ideologia de gênero” em sala de aula pelos docentes. O combate à “ideologia de gênero” é uma das bandeiras do movimento de direita Escola Sem Partido, grupo criado em 2004 para cobrar mecanismos que vigiem e punam supostos excessos de professores.

Com informações da Exame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *