Na magia gelada do Annapurna

Na magia gelada do Annapurna

 

O fotógrafo holandês Bastiaan Woudt subiu o Kilimanjaro, na Tanzânia, e depois o Annapurna I, no Himalaia. Essas duas expedições transformaram sua forma de capturar o mundo e, acima de tudo, sua pessoa.

    • Tudo começou em 2015 no Kilimanjaro, a montanha mais alta da África, que escalamos para arrecadar fundos para a War Child, uma organização que ajuda crianças em zonas de guerra. Na foto, 'Prayer'
      Tudo começou em 2015 no Kilimanjaro, a montanha mais alta da África, que escalamos para arrecadar fundos para a War Child, uma organização que ajuda crianças em zonas de guerra. Na foto, ‘Prayer’ BASTIAAN WOUDT
    • Quase nada prenunciava um romance entre minha vida - a de um fotógrafo bem casado e pai de quatro filhos - e a magia e o risco das altas montanhas. Mas o feitiço estourou na Tanzânia e se arrastou, já imparável, no Nepal. Na imagem Peak, um dos cumes atravessado por Woudt em sua jornada.
      Quase nada prenunciava um romance entre minha vida – a de um fotógrafo bem casado e pai de quatro filhos – e a magia e o risco das altas montanhas. Mas o feitiço estourou na Tanzânia e se arrastou, já imparável, no Nepal. Na imagem Peak, um dos cumes atravessado por Woudt em sua jornada. BASTIAAN WOUDT
    • René de Bos, fundador e proprietário da empresa Snow Leopard, e o primeiro holandês a subir o Everest, recomendou que eu ousasse escalar o Annapurna I, a nona montanha mais alta do mundo com 8.091 metros. Fui com meu irmão Arjan, apoiado por uma equipe de carregadores, guias e uma cozinheira. Nossa vida mudou durante aquela jornada de 26 dias. Não só pela beleza daqueles picos infinitos. Na imagem, um dos carregadores da expedição.
      René de Bos, fundador e proprietário da empresa Snow Leopard, e o primeiro holandês a subir o Everest, recomendou que eu ousasse escalar o Annapurna I, a nona montanha mais alta do mundo com 8.091 metros. Fui com meu irmão Arjan, apoiado por uma equipe de carregadores, guias e uma cozinheira. Nossa vida mudou durante aquela jornada de 26 dias. Não só pela beleza daqueles picos infinitos. Na imagem, um dos carregadores da expedição. BASTIAAN WOUDT
    • Nossa vida mudou durante aquela jornada de 26 dias.
      Nossa vida mudou durante aquela jornada de 26 dias. BASTIAAN WOUDT
    • Não só pela beleza daqueles picos sem fim e das paisagens do Nepal, mas também pela relação com os nepaleses que encontramos, gente hospitaleira, amiga e profunda. Na foto, uma mulher de Koto.
      Não só pela beleza daqueles picos sem fim e das paisagens do Nepal, mas também pela relação com os nepaleses que encontramos, gente hospitaleira, amiga e profunda. Na foto, uma mulher de Koto. BASTIAAN WOUDT
    • E pelo fato de estar desconectado do resto do mundo e ter a oportunidade de refletir: onde estou e para onde realmente quero ir? Na foto,Taiza.
      E pelo fato de estar desconectado do resto do mundo e ter a oportunidade de refletir: onde estou e para onde realmente quero ir? Na foto,Taiza. BASTIAAN WOUDT
    • Na imagem, um dos monges que Bastiaan Woudt e seu irmão Arjan conheceram durante a viagem.
      Na imagem, um dos monges que Bastiaan Woudt e seu irmão Arjan conheceram durante a viagem. BASTIAAN WOUDT
    • Na imagem, uma cruz que Woudt encontrou em uma das paisagens congeladas de Annapurna.
      Na imagem, uma cruz que Woudt encontrou em uma das paisagens congeladas de Annapurna. BASTIAAN WOUDT
    • Os nepaleses com quem cruzamos, como esta anciã, ajudaram-nos a enfrentar as duras condições da expedição, levando-os a acolhê-los nas suas próprias casas com as suas famílias.
      Os nepaleses com quem cruzamos, como esta anciã, ajudaram-nos a enfrentar as duras condições da expedição, levando-os a acolhê-los nas suas próprias casas com as suas famílias. BASTIAAN WOUDT
    • Na imagem, 'H', detalhe fotografado em um dos locais por onde passou a expedição.
      Na imagem, ‘H’, detalhe fotografado em um dos locais por onde passou a expedição. BASTIAAN WOUDT
    • Retrato de um dos monges que conheceram durante a viagem ao Nepal.
      Retrato de um dos monges que conheceram durante a viagem ao Nepal. BASTIAAN WOUDTDetalhe da roupa que eles usaram para suportar as baixas temperaturas.
      Detalhe da roupa que eles usaram para suportar as baixas temperaturas. BASTIAAN WOUDT
  • Um dos carregadores que acompanharam os irmãos Woudt na expedição.
    Um dos carregadores que acompanharam os irmãos Woudt na expedição. BASTIAAN WOUDT
  • Nenhum dos irmãos tinha uma grande experiência em altitude quando fizeram a viagem. Na foto, Rock Valley.
    Nenhum dos irmãos tinha uma grande experiência em altitude quando fizeram a viagem. Na foto, Rock Valley.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *