Na mira do MPF, Bahia é segundo estado menos transparente em compras feitas na pandemia

Foto: Reprodução / TV

Breno Cunha
Na mira do Ministério Público Federal (MPF) em diferentes inquéritos, a Bahia é o segundo estado brasileiro menos transparente em relação às compras emergenciais voltadas ao combate à pandemia do novo coronavírus.

O estado administrado pelo governador Rui Costa (PT) marcou 45.5 pontos no ranking realizado pela ONG Transparência Internacional, que avalia a divulgação dos investimentos públicos dos 26 estados brasileiros, Distrito Federal e das 27 capitais.

A Bahia só perde para Roraima, que tem 43 pontos, e fica bem distante de estados como o Ceará (98.7), Pernambuco (93.6) e Alagoas (88.6), além do Maranhão (86). Tanto a Bahia como Roraima estão classificados como regular, em relação à transparência. O restante dos estados se divide em bom e ótimo.

Para realizar o levantamento, a ONG leva em conta dados de compras e contratações apresentados no Portal da Transparência, além do monitoramento das publicações em redes sociais e sites oficiais do Governo do Estado.

Vale lembrar que o Ministério Público Federal (MPF) investiga compras realizadas pelo governo do estado em pelo menos dois inquéritos. Um deles, que tem apoio da Polícia Federal e do Ministério Público Federal (MPF), tem como alvo a compra de respiradores junto a uma empresa sem qualquer experiência no ramo, a Hempcare, por R$ 49 milhões. Os equipamentos não chegaram e o estado até o momento não conseguiu os recursos de volta ao tesouro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *