“Não são incêndios, são tempestades de fogo”

Estado do Oregon, na Costa Oeste dos EUA, enfrenta uma catástrofe natural que seus serviços de emergência só conheciam pela TV e que prenuncia mudanças em longo prazo

Moradora de Talent, um subúrbio de Medford, no Oregon, diante dos restos carbonizados da sua casa.
Moradora de Talent, um subúrbio de Medford, no Oregon, diante dos restos carbonizados da sua casa.JOHN LOCHER / AP
 

O primeiro sinal foi que “o sol estava apagado”, recorda Yolanda Curiel. Era terça-feira, 8 de setembro, pouco depois das 11h. Ventava forte. “Caíam cinzas do céu.” Curiel estava em sua casa pré-fabricada em Phoenix, um bairro na zona sul da cidade de Medford, no sudeste do Oregon. Saiu de carro com as filhas menores para ir ao banco. Deixou em casa os dois adolescentes, de 17 e 14 anos. Às 14h, quando tentou voltar, a polícia não permitiu. Ligou para seus filhos dizendo para que fossem na sua direção, saltou o cordão de isolamento e foram embora de casa com a roupa do corpo. Apenas uma hora depois, seu projeto de vida tinha virado fumaça.

Quando os bombeiros de Medford recordam aquelas horas, seu relato costuma conter expressões como “sem precedentes” e “nunca visto”. O fogo começou junto a um riacho que atravessa dois subúrbios de Medford, chamados Phoenix e Talent. Usou as margens do rio como se fosse um túnel, impulsionado por rajadas de vento de 80 quilômetros por hora. Os bombeiros contam que o vento ia secando as árvores e os arbustos antes da chegada das chamas, como um secador de cabelo, e assim os deixou preparados para arder em segundos. Esse mesmo vento dobrava o fogo, fazendo o efeito de um lança-chamas para frente. O incêndio percorreu 21 quilômetros durante cerca de 15 horas, até ser debelado por volta das 2h da madrugada.

Três pessoas morreram. Cerca de 600 casas queimaram, a maioria delas lares pobres de imigrantes que se instalaram aqui para trabalhar nas lavouras de peras, pêssegos e uvas. A família Curiel, imigrantes de Nayarit (México), tinha comprado esse trailer por 20.000 dólares (cerca de 100.000 reais), economizados em trabalhos de faxina e jardinagem. “Tínhamos gastado 45.000 dólares para transformá-lo numa casa de verdade. Quando saímos, subimos num morro para ver o incêndio. Meu marido dizia que eram as árvores que estavam queimando, mas eu lhe disse que não, que não, que era nossa casa”. Ao recordar essas palavras, começa a chorar. Está com seus filhos em um refúgio provisório montado no descampado do parque de convenções de Medford, junto com centenas de seus vizinhos instalados em barracas de lona. Só têm a roupa que vestiam naquele dia e o dinheiro que tirou do banco.

“São coisas que víamos pela televisão porque aconteciam com nossos vizinhos do sul, na Califórnia”, dizia Gary Leaming, porta-voz de Emergências do Oregon para este incêndio. “Vivo aqui há 22 anos e isto não tem precedentes.” Esta região do Estado registra todos os anos dias quentes e eventualmente secos. Mas nunca como neste ano havia ocorrido tal combinação de vento forte, secura extrema e calor, segundo os bombeiros. “Não são incêndios, são tempestades de fogo”, diz Leaming.

Não é só Medford, e sim todo o Oregon, que nunca tinha visto nada parecido. As últimas cifras dizem que mais de 400.000 hectares no Estado arderam, o dobro da média anual na última década. Oito pessoas morreram e 12 estão desaparecidas. Mais de 3.900 estão vivendo em refúgios, e mais de 1.600 casas foram completamente incendiadas. No fim de semana passado, até 40.000 pessoas ficaram desabrigadas por causa de incêndios repentinos e velozes. Mais de 500.000 viviam sob alerta de retirada a qualquer momento, especialmente nos arredores de Portland. O clima deu alguns dias de pausa, mas o Departamento de Emergências não espera que esta situação crítica mude enquanto não chover. A governadora Kate Brown advertiu que, no verão que está prestes a terminar, o Oregon pode registrar a maior perda de vidas e casas por incêndios na sua história.

Na quarta-feira, 29 grandes incêndios continuavam ardendo simultaneamente no Estado. Alguns ocorrem em lugares que normalmente têm as condições climáticas de uma selva tropical, como a Floresta Estadual de Tilamook, como destaca a porta-voz de Emergências em Salem, Bobbi Doan. “Esta é uma situação de incêndios como nada que já vimos em uma geração. É inegável que a gravidade, complexidade e duração da temporada de incêndios estão aumentando.”

PABLO XIMÉNEZ DE SANDOVAL

Para o Governo do Oregon, e segundo o consenso geral da comunidade científica, a mudança climática é o contexto inegável que deixou um Estado úmido e cheio de matas à mercê do fogo, como se fosse o árido sul da Califórnia. Em Medford, por exemplo, a média anual histórica de precipitações é de 482 milímetros por ano. Há alguns anos, porém, caiu para 254, segundo Gary Leaming. A causa de cada incêndio pode ser fortuita e estar sob investigação, mas a tragédia não é uma casualidade. “Esse tipo de incêndio vinha sendo gestado.”

“Os meteorologistas vinham advertindo de que há cada vez menos neve no inverno, o que contribui para condições como as que vimos naquela manhã”, reconhece Bob Horton, um dos chefes de bombeiros do condado onde fica Medford. “Qualquer início de incêndio teria sido um desafio.” Para Horton, com 20 anos de experiência, estes são exatamente os “incêndios de vento” (um termo técnico que distingue um fogo impulsionado pelo vento de outro que avança à velocidade que a madeira queima) da Califórnia, só que agora em todo o Oeste dos EUA.

Neste verão boreal, 10% da população do Oregon vive com um incêndio perto de sua casa. O resto do Estado, e de toda a Costa Oeste, está respirando as consequências. A qualidade do ar chegou a níveis perigosos para a saúde em lugares como Portland, uma cidade rodeada de água e florestas, que no fim de semana passado tinha a pior qualidade do ar dos Estados Unidos. “Em cinco cidades do Oregon registramos os piores níveis de partículas da história”, confirma Dylan Darling, especialista do Escritório de Qualidade Ambiental do Oregon. “Um nível de partículas pm2,5 de 300 é perigoso para a saúde. Chegou a pelo menos 500, que é o máximo dos monitores”. Uma situação assim já é perigosa quando dura algumas horas ou dias. “Isto está assim faz duas semanas”, adverte Darling. A coluna de fumaça já é tão grande que chegou à Costa Leste.

Em lugares como Medford, onde houve além disso uma grande destruição de moradias, essa nuvem pode ser tóxica. Ninguém sabe o que há na densa e pestilenta nuvem branca que cobre toda a cidade há uma semana. Foram queimadas casas muito humildes, nas quais não é raro que haja produtos químicos e até amianto.

Uma nuvem de fumaça causada pelos incêndios sobre Portland, Oregon, em 12 de setembro.
Uma nuvem de fumaça causada pelos incêndios sobre Portland, Oregon, em 12 de setembro. JOHN LOCHER / AP

Os bombeiros costumam fugir do debate sobre a mudança climática. Não é o seu trabalho. Mas deixam muito claro seu temor de que esta seja a nova normalidade. “Não sou a pessoa adequada para dizer o que vai acontecer”, afirma o chefe de bombeiros Horton, “mas me preocupa, e o que está acontecendo no Oregon será preciso discutir com o nível local, estadual e nacional. A dinâmica do fogo está mudando e temos que nos adaptar”. Os incêndios californianos já são os incêndios de todo o Oeste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *