O azar dos professores para o ano que inicia

A Portaria interministerial 3, do governo Bolsonaro, que altera a gestão do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e diminui o valor mínimo nacional a ser investido por aluno anualmente, também anulou os ganhos salariais dos professores da educação pública para 2021. A previsão era de que no próximo ano, o piso salarial do magistério teria uma atualização na ordem de 5,9%. Com a redução no investimento mínimo, a categoria terá agora reajuste zero.

Muitos professores votaram no Presidente Jair Messias Bolsonaro, e ainda hoje mais de 2/3 continua defendendo o próprio presidente. Já nas ultimas eleições municipais, o professorado votou em peso nos candidatos de partidos que defendem Bolsonaro no Congresso Nacional, quer dizer, em partidos do Centrão, a maior escória da política mundial. Se antes, os prefeitos de municípios de pequenos e médios porte não queriam pagar, agora é que eles vão fazer a festa. Podem fazer greve, protesto nas ruas e porta de prefeituras que não tem jeito. Ha, teve ainda professor que foi para as redes sociais achincalhar os diretores de sindicatos de professores porque simplesmente votaram e apoiaram candidatos à prefeitos que sempre cumpriram com o dever de conceder o reajuste integral à categoria. (Titico)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *