O candidato é Geraldo

Opinião

Nas mais reiteradas notas em que se manifestou sobre a sucessão estadual em 22, o ex-prefeito do Recife Geraldo Julio (PSB) mentiu. Para não ser tão agressivo na sintaxe, escondeu o jogo. É candidatíssimo ao Palácio do Campo das Princesas! Com quem conversei nos últimos dias, gente, inclusive, da cozinha de Paulo Câmara, a quem caberá a coordenação do processo da alternativa governista, apurei que, na hora certa, o nome de Geraldo será anunciado.

Desgastado, o ex-prefeito adotou a estratégica eduardista: só trata de eleição a partir de janeiro, ano do pleito. Há vários fatores que levam ao silêncio sepulcral: o noticiário negativo das consequências das sete operações da Polícia Federal em sua gestão, envolvendo investigação de desvios de recursos federais enviados para o combate à pandemia é o principal.

Vários nomes próximos a ele, como o ex-secretário de Saúde Jailson Correia e Felipe Bittencourt, seu braço direito, estão na marca do pênalti no andamento dos processos na Justiça. O que Geraldo mais teme é que os estragos nessa área sejam mais amplos do que possa imaginar. E tem razão.

Na sexta-feira passada, por exemplo, o todo-poderoso Renato Thièbaut, que seria um dos operadores do Governo Paulo Câmara, rastreado sua influência desde a era Eduardo, foi alvo de operação da Federal. Denominada Payback, a operação resultou de desdobramento das investigações deflagradas em junho deste ano que apuram esquema milionário de direcionamento de licitações na compra emergencial de materiais médicos para utilização no combate à pandemia do novo coronavírus.

Além desse aspecto escandaloso, que foge da alçada de controle dele, Geraldo enfrenta o fogo amigo no Governo do Estado. Desde que disse não ser candidato a governador, em três momentos distintos, ninguém de peso do staff palaciano ou do PSB saiu em defesa do seu nome, com exceção do presidente estadual da legenda, o tarefeiro Sileno Guedes.

De quem de fato gostaria de receber manifestações mais contundentes, como Paulo Câmara e o prefeito do Recife, João Campos, Geraldo não contou. Mas raros são os deputados federais e estaduais do PSB que tem dúvida de que o candidato, apesar de todos os pesares, será Geraldo. O que se diz é que o ex-prefeito ainda goza da confiança da viúva Renata Campos, que dá a palavra final, e que seu nome, além de ser natural, é o mais competitivo.

Geraldo, entretanto, vai continuar dizendo que não é candidato, para que possa, mais na frente, receber uma “convocação” das forças do Governo e dos mais diversos partidos que integram a Frente Popular. Com isso, terá a justificativa do discurso de que não queria ser, mas que foi forçado a ser. É por aí.

Por: Magno Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *