Pernambuco investiga quatro mortes por arbovirores em 2020

[610] Mosquito

[610] MosquitoFoto: Divulgação

Sobe para quatro o número de mortes por arboviroses investigadas em Pernambuco. Isto significa um aumento de 100% em relação ao balanço anterior, divulgado na semana passada. Segundo boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), nesta segunda-feira (27), um dos novos casos em apuração é de uma mulher de 52 anos, moradora de Moreno, que morreu no dia 9 de janeiro. A outra ocorrência foi de uma mulher de 40 anos, que residia em São Lourenço da Mata. O registro da morte dela foi em 16 do mesmo mês.

Além desses casos, são investigadas a morte de dois idosos, sendo um de 69 anos, no dia 6 de janeiro, no Recife, e outro de 70, em Jaboatão dos Guararapes, no dia 8. De acordo com a SES, a investigação é feita pelo município de origem do paciente. Só após a investigação, que não tem data certa para ser concluída, é possível afirmar que a morte dessas pessoas foi causada pela dengue, zika ou chikungunya, ou até mesmo descartar para todas as arboviroses.


O balanço, que inclui informações coletadas entre os dias 29 de dezembro de 2019 a 18 de janeiro de 2020, destacou ainda que nas primeiras semanas de janeiro deste ano foram registrados 386 casos suspeitos de dengue, sendo 40 confirmados, em 61 municípios pernambucanos. Para chikungunya, o boletim epidemiológico notificou 73 casos suspeitos, com duas confirmações, nessas três primeiras semanas de janeiro, registrados em 22 cidades. Em relação à zika, são quatro casos suspeitos, todos notificados no município de Custódia, no Sertão.

Em média, houve uma redução de 60% nas notificações de dengue, zika e chikungunya, em comparação com as 1.167 do mesmo período de 2018. As notificações caíram, mas vale destacar que 125 cidades pernambucanas estão em situação de alerta ou em risco de surto de infestação pelo mosquito Aedes aegypti. Ao todo, no ano passado, foram registradas 13 mortes por arboviroses em Pernambuco, sendo 12 por dengue e uma por chinkungunyua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *