Pesquisa mostra PT como maior culpado pela crise. O que significa para os progressistas?

O antipetismo como fenômeno de massas tem bases objetivas. O que interessa é saber como – diante desse entendimento popular – a esquerda pode sair da situação defensiva

Evidência preocupante na Pesquisa XP

Por Gilberto Maringoni

As pesquisas da XP devem ser examinadas com cuidado. Muitas vezes a metodologia e as perguntas não são divulgadas. Metodologia e perguntas podem interferir em resultados. Dito isso, há uma página da sondagem divulgada no último dia 13 que deve merecer atenção das forças progressistas.

Ela se refere à percepção popular de quem são os responsáveis pela crise atual. Entre quatro itens – governos Lula, Dilma, Temer, Bolsonaro e fatores externos -, metade da população atribui a culpa às gestões petistas.

A percepção é correta. Lembremos: entre 2015-16, o desemprego praticamente dobrou – de 6% para 11% – e o PIB teve queda de 8%, índice inédito desde a proclamação da República (1889).

Esse dado mostra que o antipetismo como fenômeno de massas tem bases objetivas.

O PT não quer fazer autocrítica e certamente não é o caso. O partido fez uma opção recessiva no governo Dilma II e deve ter tido razões para isso. Resolveu não contar a ninguém que razões eram essas e aí está um problemaço.

O que interessa é saber como – diante desse entendimento popular – a esquerda pode sair da situação defensiva que se encontra. É algo surpreendente face a um governo que vive de histórias mal contadas, agressões entre milicianos, queirozes, casas 58, aprofundamento da crise etc.

A única opção para as forças progressistas é fazer o árduo caminho de se reconectar às dores do povo, com uma campanha pelo emprego, pelo salário, por comida e por demandas reais das pessoas. E abandonar a tentação neoliberal quando voltar ao governo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *