Políticos pernambucanos comemoram adiamento do Enem

Ministro da Educação, Abraham Weintraub

Ministro da Educação, Abraham WeintraubFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano foi anunciando nesta quarta-feira (20) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas educacionais (Inep). As datas serão postergadas de 30 a 60 dias em relação ao previsto nos editais. Assim, a prova deve ocorrer em dezembro ou janeiro. A decisão foi comemorada por políticos pernambucanos.

Vale lembrar que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, era contra o adiamento e vinha se esforçando para dar cores ideológicas às demandas pela remarcação da prova. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) havia defendido “esperar um pouquinho mais” para se definir sobre o tema, mas, pelas redes sociais, escreveu no meio da tarde sobre o adiamento.

Nas redes sociais, o deputado federal Sílvio Costa Filho (Republicanos) comentou o assunto. “Vitória dos estudantes! O Inep acaba de anunciar o adiamento do ENEM. Notícia importante para os alunos de todo o BR, que poderão se preparar e realizar o exame após esse período de pandemia! Valeu a luta! Juntos pela educação”, escreveu.

Já o deputado federal Danilo Cabral (PSB), disse que, com o adiamento, Bolsonaro e o ministro da Educação “foram derrotados pela força do povo”. “Adiamento do Enem é uma importante vitória da mobilização da sociedade. (…) Isso deve servir de exemplo para valorizarmos a importância da nossa unidade na luta em defesa do Brasil e dos Brasileiros”, complementou. O deputado federal Felipe Carreras, por sua vez, afirmou a medida “já é um resultado do trabalho e pressão dos alunos, Congresso e da sociedade”. Segundo ele, estudantes e Conselhos Regionais serão ouvidos “para confirmar e ver a questão” do prazo. “A luta continua!”, garantiu, em publicação no Twitter.

O também deputado federal João Campos (PSB) reforçou a necessidade de se discutir o novo prazo. “O governo Bolsonaro recuou, mas ainda não é suficiente. Nós precisamos repactuar essa data junto com as redes estaduais, as universidades e o Ministério da Educação pensando sempre no aluno”, ponderou.

Além deles, o deputado estadual João Paulo Lima (PCdoB) também se manifestou. “Depois de derrota no Senado e com previsão de nova derrota na Câmara, governo resolve adiar o Enem. Vitória dos estudantes”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *