STF sob Toffoli não garante proteção contra Bolsonaro e reparação na Lava Jato, avalia Janio de Freitas

“Veremos quem no Supremo está à altura desse nome e da complexidade a que o país foi lançado, pelos aventureiros do impeachment e pelos ambiciosos do pré-sal”, escreve jornalista

Ministro Dias Toffoli durante sessão da Segunda Turma do STF para jugar ação penal proposta pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a senadora Gleisi Hoffmann e seu marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo.

O artigo de Janio de Freitas na edição da Folha de S. Paulo deste domingo (22) é sobre a falta de consistência e confiança que Dias Toffoli passa na presidência do Supremo Tribunal Federal.

Em tempos obscuros como os atuais, espera-se que o presidente da Suprema Corte seja esclarecido e muito incisivo na defesa da democracia e do Estado de Direito, ainda que isso custe críticas de setores da mídia comprometidos com o bolsonarismo e a Lava Jato.

Mas frustrando as expectativas, Toffoli finge não ver a veia golpista dos Bolsonaro – que volta e meia, atacam as instituições e defendem o regime militar e o golpe para “acelerar” as reformas – e não garante que os desvios da Lava Jato serão reparados pelo STF, sendo o caso Bendine apenas o primeiro de muitos que precisam de revisão.

Para Janio, Toffoli põe em dúvida o papel do STF na defesa da democracia, da liberdade de expressão, da Justiça, ao empurrar “para incerto futuro várias decisões influentes”.

O jornalista apontou que a presidência e outros magistrados deveriam se inspirar na segunda turma do STF, que tem tomado decisões corajosas diante da pressão da opinião pública.

“Veremos quem no Supremo está à altura desse nome e da complexidade a que o país foi lançado, pelos aventureiros do impeachment e pelos ambiciosos do pré-sal”, assinalou o jornalista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *