Uauá: ‘Os derrotados estão desesperados’

uaua_estatua_conselheiro

Da Redação

O prefeito eleito em Uauá, no norte baiano, Olimpio Cardoso Filho (PDT), disse desconhecer oficialmente a existência da ação que o seu adversário nas eleições de outubro, Lindomar Dantas (PT), afirmou ter movido contra o pedetista na 83ª Zona Eleitoral da cidade. O petista pede a suspensão da diplomação de Olimpio Filho, além da cassação do registro do pedetista.

“Trata-se de prova plantada, criada, fabricada, como já apurado em inquérito. Temos consciência que não praticamos qualquer conduta em desacordo com a lei e pautamos nossa campanha, na humildade, sinceridade e apresentação de proposta concreta”, diz um trecho da nota emitida pela coligação “Juntos somos mais fortes”, liderada pelo PDT na cidade.

Os advogados de Dantas acusam o adversário eleito de ter comprado votos em troca de favores, bens e serviços junto à prefeitura. Eles dizem possuir 12 vídeos e áudios que comprovariam as irregularidades. “Confiamos na justiça, e os injustos, que nos atacam de forma leviana, serão castigados na severidade da lei. Nós não tivemos dinheiro nem pra campanha, quanto mais pra comprar voto. Não existe uma pessoa que diga que compramos votos, a não ser que seja uma pessoa comprada por eles pra dizer isso. Quem gastou muito dinheiro foram eles, pelo que tomamos conhecimento foram R$ 4,6 milhões e agora querem jogar pra nós, dizendo que fomos nós quem comprou votos. Chegamos já com a língua de fora no fim da campanha”, diz Olimpio.

Para o advogado Pedro Peixinho às acusações não tem embasamento jurídico. “Na verdade a ficha dos derrotados começou a cair agora, eles estão desesperados apelando para todo tipo de artifício para tentar manter a dinastia dentro da prefeitura. Isso faz parte do choro porque durante as eleições eles tiveram tempo mais do que o suficiente para fazer qualquer tipo de denuncia sobre possíveis irregularidades. Eles não denunciaram porque não houve nada. Todos sabem que eles andavam comemorando a vitória antes de sair o resultado, agora não temos culpa se eles fizeram, ou não, acordo com patrocinadores de campanha em lotear a prefeitura e agora estejam correndo atrás do prejuízo. Eles estão inventando coisas que não existem”, informa o advogado.

Ele vai mais além: “A agonia do atual gestor é grande porque o rombo dentro da administração é grande e não está tendo condições de tapar o buraco nesta reta final de mandato. A dívida da prefeitura no comércio é grande, isso sem incluir os prestadores de serviços, contratados. Todos os dias a porta da prefeitura fica infestada de cobradores desesperados e ninguém sabe do paradeiro do prefeito. Ele corre o risco de ser linchado devido às malandragens praticadas durante esses oito anos de administração que acabou com o nosso município. A loucura deles aumenta porque sabem que Olimpio não vai pagar nada ilegal, e além do mais pode pedir a prisão dos envolvidos em supostos casos de corrupção como vem sendo denunciado ao longo desses anos. Caso tudo seja comprovado, é cadeia na certa. Um deles já tem experiência do que é passar dias no xadrez”.

Denuncia feita:

O prefeito eleito Olímpio já tinha denunciado na imprensa que o grupo do atual prefeito Jorge Lobo, derrotado no pleito de 07 de outubro, contratou dois conhecidos meliantes da cidade de Euclides da Cunha, na tentativa de criar fatos políticos e tentar forjar uma situação de compra de votos por parte do grupo vencedor do último pleito.

Segundo denuncia, a situação foi desmascarada na tarde do dia (06) de novembro, quando estas duas pessoas de ficha corrida extensa, foram detidas pela polícia de Uauá, através de uma denúncia advinda da fazenda Testa Branca e do distrito do Caldeirão do Almeida, onde populares afirmaram haver uma tentativa de aliciamento por parte dos mesmos, para que assinassem documentos falsos, de que haviam vendido o voto para coligação vencedora do pleito. Usando desde artifícios de intimidação física, oferta de benesses financeiras e até a caracterização de falsidade ideológica, eles utilizavam nomes que faziam parte da coordenação da coligação “Juntos somos mais fortes” vencedora no último dia 07 de outubro, sendo encontrados inclusive nomes da coordenação em lista grifada, com sentido ameaçador e teor de vingança.

A denúncia diz ainda que em vários distritos e fazendas, pessoas das comunidades já haviam comunicado anteriormente esta tentativa da coligação derrotada, de forjar uma mudança no resultado eleitoral, entretanto, o que chamou a atenção foi que no ato da detenção dos meliantes, imediatamente compareceu à delegacia o procurador jurídico da prefeitura, Luiz Alfredo, na tentativa de livrar os elementos, caracterizando e provando a vinculação entre tais meliantes e a estrutura que se encontra na prefeitura, envolvendo o prefeito Jorge Lobo (PRTB) e seu candidato derrotado Lindomar Dantas (PT).

Por conta disso, haja vista a extensa ficha criminal de tais meliantes detectadas pela policia militar, e a falta de delegado na cidade, o juiz da comarca determinou a remoção dos mesmos para Euclides da Cunha para prestarem depoimento. Mas o fato determinado é o envolvimento do atual prefeito Jorge Lobo com elementos de alta periculosidade e de extensa ficha crimina.

Diante de todo o fato, Lindomar ingressou com ação de investigação eleitoral junto à 83ª zona de Uauá requerendo a suspensão de diplomação de Olímpio Cardoso e seu vice, bem como a cassação do registro e impedimento de posse. Agora só cabe a justiça averiguar os fatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *