Vereador de Curaçá leva tapa no rosto de policial da CIPE-Caatinga

curaca_portico

Da Redação

O vereador de Curaçá, Deroaldo Franco De Andrade Junior, conhecido como Junior do Esporte (PR), faz grave denúncia em que relata que foi agredido fisicamente pelo sargento da CEPAC, Germano Gonçalves, na madrugada do ultimo dia 26, durante uma abordagem na BA 210. O comandante teria dado um ‘tapa’, sem nenhum motivo aparente, no rosto do vereador assim que este desceu do carro.

Junior explica o ocorrido e diz que levará a queixa até as ultimas consequências, travando uma briga na Justiça através de representação contra o comandante e o estado da Bahia.

“No dia 26, por volta de 3 da manhã, eu estava voltando de Petrolina porque fui assistir a um jogo que envolvia a seleção de Curaçá. Retornando ao município, junto com o colega de parlamento Dedé, minha esposa, o motorista da câmara e a esposa dele, fomos abordados por esse sargento da Cepac. Eles acionaram o giroflex e logo nós paramos e descemos do carro com as mãos para o alto como solicitado. A forma de abordagem da Cepac é uma forma que causa um constrangimento terrível. São muitos gritos de ‘sai do carro’, ‘levanta a mão’. Pelo receio de estar com minha esposa e ter mulher no carro, a única coisa que disse foi que somos todos cidadãos e estávamos vindo de Juazeiro a Curaçá. Ele me deu o tapa no rosto e disse: se você é cidadão eu também sou”, relata o vereador.

Júnior conta que em momento nenhum desacatou o policial, nem tinha nada de irregular, tanto é que ele foi liberado. “Ninguém foi preso, o documento do veículo não foi pedido, a habilitação do motorista também não. Estávamos em carro oficial, depois que fui agredido, Dedé se apresentou como legislador e a mim também. Nesse momento ele justificou que a gente não tinha se identificado e que não viu que o carro era chapa branca”.

Após a agressão, os vereadores pegaram o nome do policial e a placa da viatura. “Disse a ele que o tapa que ele me dirigiu fisicamente eu ia devolver dentro da lei. Porque sou vereador e tenho responsabilidade. Por diversas vezes ele repetiu que era pra entrar com ação contra ele, Germano, e que corporação não tinha nada a ver. Perguntei a ele: essa farda a quem pertence?”.

O vereador disse que teve seu rosto e nariz deformados. “Já tomei as providências. Prestamos queixa na policia civil de Juazeiro, fiz exame de corpo de delito e daqui pra frente a Justiça toma as medidas cabíveis. Estou entrando com uma representação tanto contra ele quanto contra o Estado”, finalizou.

O Batalhão da Polícia Militar de Juazeiro, e de Curaçá, informam que não respondem sobre a denúncia, que isso somente cabe à CIPE – Companhia Independente de Policiamento Especializado – Caatinga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *