Vereador reconhece decisão do MP sobre irregularidades no Hospital Materno-Infantil de Juazeiro

 

Ação Popular (AP)

Os problemas ocasionados na administração do prefeito Paulo Bomfim (PCdoB) não param de acontecer, a cada dia é uma topada pior do que a outra. São casos graves que estão prejudicando a população nas áreas de infraestrutura, educação, falta de abastecimento de água, estradas vicinais, postos de saúde do interior sem profissionais, etc., é um desarranjo atrás do outro com o ex-prefeito, e líder do grupo, Isaac Carvalho correndo do prefeito para tentar evitar os respingos do desgaste. Nem nas comemorações de eventos realizados pela ‘sua cria’ o ex-gestor está evitando de aparecer.

Para complicar mais ainda o quadro administrativo, foi ajuizada uma ação civil pública pelo Ministério Público estadual solicitando que a Justiça determine, de forma liminar, ao Município de Juazeiro a realização de imediatas reformas, adaptações e aquisição de equipamentos exigidos pela Vigilância Sanitária para sanar as irregularidades identificadas no Hospital Materno-Infantil municipal. Segundo a ação, movida pela promotora de Justiça Rita de Cássia Rodrigues, a unidade hospitalar ainda não possui alvará sanitário para funcionamento.

“Este desejo de interdição é antigo, mesmo porque o Ministério Público tentou fazer TAC para que não chegasse a via judicial.  Setores como de esterilização não foram respeitados por não haver higienização adequada, colocando em risco a vida de pacientes. Nesses lugares funcionam a Maternidade e o Hospital da Criança de maneira inadequadas, caso o juiz Doutor José Góes conceda esta liminar, esses setores serão interditados”, destacou o vereador Allan Jones (PTC).

Já nos bastidores se comenta que esta manifestação do MP chegou em boa hora porque a administração se livra de um problema com a população para reduzir gastos, podendo repassar os serviços para uma unidade de atendimento particular conveniada. Um fato que vem causando espanto na população destacado na imprensa através de entrevistas de populares, é de que a prefeitura não está cumprindo com as determinações da justiça a exemplo da cobrança de taxas no Mercado do Produtor. Isto vem fazendo com que as pessoas debochem da própria justiça exemplo do comunitário Edvaldo França quando denunciou o fato no programa de Waltermário Pimentel/Rádio Cidade.

Ainda sobre a possibilidade do hospital continuar funcionando com o setor de esterilização interditado, Allan fez a seguinte consideração: “De maneira alguma, mesmo porque pode haver uma interdição geral  pois causará prejuízo elevado à população de Juazeiro e região por falta de prevenção e responsabilidade do próprio município de Juazeiro devido a falta adequada  higienização”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *