Remanso: Servidores reclamam da Prefeitura de não repassar valores do empréstimo consignado

 

 

Primeiramente estaremos explicando o que é empréstimo cosignado, é um tipo de empréstimo com desconto das prestações em folha de pagamento, ou seja, o funcionário recebe seu salário já deduzido da prestação devido ao banco. O órgão pagador, por sua vez, repassa mensalmente os valores descontados dos funcionários à instituição financeira que fez o convênio.

 

Para surpresa de alguns servidores que fizeram o tal empréstimo, apesar de ter o dinheiro descontado, o dinheiro não é repassado a Caixa Economida a pelo menos 02 meses, lesando assim os funcionários, ou seja, o dinheiro é descontado dos funcionários porém os valores são desviados pelo prefeito Zé Filho para outras finalidades, "compra de votos".

 

Conforme artigo 312 do Código Penal Brasileiro - Peculato: "Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, desviá-lo, em proveito próprio ou alheio. Pena de 02 a 12 anos e multa. § 1º - Aplica-se a mesma pena, se o funcionário público, embora não tendo a posse do dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja subtraído, em proveito próprio ou alheio, valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário".

 

Vale lembrar que o próprio Prefeito é um funcionário público pago pelo contribuinte e tem o dever de se comportar como funcionário e não como dono da Prefeitura. Trocando em miudos ele é um servidor eleito pelo povo e deve atender na prefeitura e não ficar atendendo em casa e perseguindo os servidores concursados que faz as coisas andar pela prefeitura.

 

Fica a pergunta quem deve é a Prefeitura ou servidor que tem a parcela descontada em folha? A Caixa deveria cobrar da Prefeitura já que o convênio é feito com a Prefeitura, se o Prefeito der calote que vai pagar a conta? Será que os servidores lesados vão pagar a conta duas vezes. Inclusive o nome que deveria ir para o Serasa é o da Prefeitura e não dos servidores que tem o valor da parcela descontada, a gerência não deveria penalizar e muito menos constranger os servidores que na verdade estão sendo prejudicados.

 

O golpe está sendo dado e é caso de policia, esperamos que as autoridades tomem as devidas providências e que o SindServ e a Câmara cobre o mais rápido possível a regularização das centenas de servidores que possuem empréstimo cosignado.

 

Na verdade não é pra ninguém entrar em pânico, já que seu nome está em jogo, devem-se começar a articular, pegar os contras cheques dos desconto, ir na Caixa e pegar o extrato de pagamentos para verificar quantas parcelas estão em aberto e exigir do Ministério Público providências para não receberem o Presente de Natal do Prefeito.

 

Fonte: Portal Velho Chico

 

 


Publicidade

 

 

 

 

© 2011 Jornal Ação Popular :: Rua Antonio Cursino, 147 - 1º Andar - Praça do Índio - Centro - Juazeiro (BA) :: Tel.: (74) 3611-0370