Assédio em aplicativos preocupa a segurança de usuárias; Saiba o que fazer para denunciar um caso

Foto: Erlon Rodrigues / Divulgação PC-AM
Marjoriê Cristine

O combate ao assédio sexual não tem sido suficiente para evitar que novos casos aconteçam em aplicativos de transporte. Nos últimos dias, dois casos vieram à tona e foram denunciados, através das redes sociais, por adolescentes de 17 e 15 anos em duas cidades diferentes: em Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RS), e em Manaus (AM), respectivamente. No primeiro caso, o motorista André Lopes Machado, de 43 anos, é investigado pela Delegacia da Mulher de Viamão após o registro de ocorrência feito por uma estudante. No segundo, a jovem ainda irá comparecer à DP para fazer a queixa.

Em ambos os casos, os condutores foram banidos das empresas que faziam o serviço de transporte. As empresas afirmam que repudiam qualquer tipo de violência contra a mulher, estão conscientes do problema e assumem práticas para melhorar a segurança das viajantes nas corridas.

Tanto a Uber como o 99 fazem campanhas para divulgar canais para as mulheres assediadas realizarem as denúncias como compartilham dicas de como devem agir quando uma situação acontecer. No início de fevereiro, a Uber iniciou a campanha contra o assédio no carnaval e no dia a dia, com cartazes e propagandas espalhadas pelas cidades, em meios de comunicação, por email e até no momento em que você se uma corrida.

Há também um projeto Podcast de Respeito, com conteúdo para os motoristas parceiros se tornarem aliados no combate à violência contra a mulher. No caso da jovem de Viamão, a empresa trabalhou rápido para atender à demanda e banir o suspeito da comunidade.

Em Manaus, a vítima de 15 anos teve o mesmo apoio da 99. A menina compartilhou parte das respostas recebidas pela empresa quando fez a denúncia nas redes sociais. O condutor do veículo que a atendeu passou a mão pelo corpo e nos cabelos da adolescente que, imediatamente, lhe pediu para parar. Sem ser ouvida, tomou a atitude de fotografar com o celular o momento em que ele encostou na sua perna, o ocorreu mais de três vezes.

– Fiz a foto para ter uma prova. Saí do carro em choque e chorando. Tenho 15 anos e nunca tinha passado por isso. Hoje, estou com medo de usar carro de aplicativo – diz.

Mensagens recebidas pela vítimas de assédio em Manaus (AM) do aplicativo 99
Mensagens recebidas pela vítimas de assédio em Manaus (AM) do aplicativo 99 Foto: Reprodução / Instagram Stories

PF dá dicas úteis

No Rio Grande do Norte, o Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal (Sinpef) está compartilhando uma corrente para alertar as mulheres com cuidados ao entrarem em carros de aplicativos sozinhas. Entre as dicas, estão avisar alguém quando você entrar em um carro; compartilhar ou fingir que a viagem está sendo compartilhada com alguém; sentar-se atrás do banco do motorista onde ele não tenha visão de você.

Veja MaisBruna Linzmeyer ironiza fala de motorista investigado por assédio em Viamão

Outras medidas indicadas são colocar o celular para despertar a cada três minutos, e sempre que despertar, atender como se fosse alguém da sua família; falar a marca, cor placa e outras informações do carro e informe quantos minutos faltam para chegar; não beber água e nem aceitar bombom; e compartilhar a localização em tempo real pelo WhatsApp.

Dicas de cuidados compartilhados pela PF do Rio Grande do Norte
Dicas de cuidados compartilhados pela PF do Rio Grande do Norte Foto: Reprodução

Confira as dicas e cuidados disponibilizados por cada empresa de aplicativo:

Cuidados da Uber

  • Depois de cada viagem, usuários e motoristas são convidados a avaliar a experiência. Caso o usuário ou motorista precise reportar algum incidente, a Uber conta com uma equipe de suporte disponível 24 horas, sete dias na semana, que analisa individualmente caso a caso. A denúncia pode ser feita pelo menu de ajuda do próprio app ou pelo site uber.com/ajuda.
  • Além da selfie que os motoristas já fazem de tempos em tempos para ficarem online, um novo recurso passa a solicitar que alguns movimentos sejam realizados em tempo real – como piscar, sorrir, virar o rosto. Isso trará mais uma camada de segurança e permitirá verificar que o motorista é aquele que se cadastrou no aplicativo.
  • Motoristas parceiros e usuários de algumas cidades do Brasil também passaram a contar com a opção de gravar o áudio de uma viagem por meio de um botão na Central de Segurança do app, antes ou durante a viagem, em algumas regiões. Concluída a viagem, se desejarem informar algum problema, podem também encaminhar o arquivo de áudio para a Uber. O conteúdo, criptografado, fica armazenado no telefone de quem efetuar a gravação, mas só a Uber tem acesso – se o arquivo for compartilhado com a empresa. O arquivo enviado ao suporte em caso de necessidade pode ser utilizado em investigações ou compartilhado com as autoridades, nos termos da lei.
  • Para identificar paradas inesperadas ou longas, a Uber lançou a ferramenta U-Ajuda. Se um evento desse tipo for detectado, o próprio sistema pode iniciar automaticamente uma checagem, enviando uma mensagem para o motorista parceiro e o usuário direcionando-os às ferramentas de segurança do aplicativo, como ligar para a polícia, compartilhar a viagem ou até mesmo abrir um contato com a central de atendimento da Uber para casos não urgentes.
  • Também foi lançada a ferramenta U-Código, em que o usuário pode optar por receber uma senha de quatro dígitos, que deve ser dita ao motorista para que ele consiga iniciar a viagem no aplicativo, confirmando que os dois estão na viagem correta.

Cuidados da 99

  • Entre as medidas está o kit de segurança, que oferece a opção de compartilhar a rota para contatos de confiança, além de poder ligar para a polícia.
  • O app também possui uma inteligência artificial, o Rastreador de Comentários, que vasculha automaticamente as avaliações das usuárias ao fim das corridas para a identificação dos casos de assédio ou violência sexual.
  • Com essa tecnologia, a empresa pode priorizar esses casos e acolher a vítima de maneira humanizada mais rapidamente, bem como tomar todas as providências possíveis, que pode incluir bloqueio e colaboração com a investigação das autoridades. Em situações de assédio, o atendimento é feito exclusivamente por uma mulher.
  • Passageiras e motoristas que tenham sofrido esse tipo de violência devem reportar imediatamente para a empresa, por meio de seu app, ou no telefone 0800-888-8999, para que o acolhimento e suporte necessários sejam oferecidos. Trabalhamos 24 horas por dia, 7 dias por semana, para cuidar exclusivamente da proteção dos usuários, sejam elas motoristas ou passageiras.
  • Kit de segurança: a 99 conta com um escudo na tela de corrida do app que permite aos usuários ligar para o 190, compartilhar rotas em tempo real e adicionar até cinco contatos de confiança. Caso passageiros façam uma ligação para a polícia, a rota é compartilhada automaticamente.
  • Câmeras de segurança são conectadas à Central de Segurança da empresa (24h/7), que presta apoio em tempo real caso motoristas acionem o botão físico integrado à câmera; ou passageiros acionem o botão virtual presente no app. Quando os alertas são gerados, a câmera garante acesso às imagens em tempo real e os dados são mantidos em confidencialidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *