Demissão de procurador reforça luta antilavajatista no Congresso

Parlamentares dizem que decisão expõe inação da corregedoria do MPF durante todo o período da Lava Jato

Diogo Castor de Mattos e a ficha de adesão ao clube de elite
Diogo Castor de Mattos e a ficha de adesão ao clube de elite (Foto: MPF/Divulgação | Reprodução)

A demissão do procurador Diogo Castor na noite desta segunda-feira (18) deve reforçar o discurso antilavajatista no Congresso.

A leitura por parte de parlamentares é a de que, se de um lado a decisão mostra que o Conselho Nacional do Ministério Público é capaz de dar duras penas a integrantes do Ministério Público Federal, de outro, expõe a ausência de medidas da corregedoria do MPF, ou seja, de controle interno, durante todo o período da Lava Jato e sobre outras investigações, informa o Painel da Folha de S.Paulo.

O CNMP é o conselho que está na mira da Câmara dos Deputados. Uma PEC em andamento tenta modificar sua composição, incluindo mais membros de fora do Ministério Público, com indicações do Congresso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *