Empresa fundada por esposa de Noblat é responsável pelo vídeo que derrubou Alvim

Cavalo de Troia: Empresa fundada por esposa de Noblat comanda comunicação do MEC e Cidadania e foi responsável pelo vídeo que derrubou Alvim. 

Do Agora Paraná – Por Oswaldo Eustáquio

O núcleo de jornalismo investigativo do Agora Paraná descobriu um serviço de contrainteligência dentro dos prédios do governo federal que tem repassado  informações sigilosas a membros da imprensa brasileira com viés de esquerda, como um cavalo de tróia, um aparelhamento velado, que vem à tona por meio do jornalismo investigativo.

Era meio dia e dezessete do dia 15 de janeiro. Algumas horas antecediam o fatídico vídeo que resultou na queda de Alvim. Ele lê uma mensagem em seu celular. Era Vitória, assistente da jornalista Mônica Bérgamo da Folha de São Paulo. Alvim ficou pasmo e bradou: “Como a Mônica já está sabendo dessa informação? Falei isso a portas fechadas com três assessores”.

Outros secretários de áreas ligadas a Cidadania, que tem o banco de dados do Bolsa Família, chegaram a desconfiar que chegaram que haviam escutas em suas salas, pois informações vazadas para imprensa de reuniões sigilosas eram um mistério perseguido pelos servidores. O trágico vídeo de Alvim, realizado pela empresa fundada pela esposa de Noblat serviu ao menos para trazer luz a algo que estava escondido.

As vésperas de sua queda, Alvim descobrira que estava sendo traído. Com exclusividade o Agora Paraná trouxe à tona a Agência responsável pela edição do texto, vídeo, trilha sonora do vídeo de Alvim. A empresa Informe Comunicação, fundada “por Rebeca Scatrut, esposa do jornalista da Revista Veja, Ricardo Noblat, forte crítico do presidente Jair Bolsonaro.

A empresa tem um contrato de R$ 13.480.660,67 por ano, prorrogável por 48 meses, podendo chegar a R$ 67 milhões em sua vigência, apenas na Cidadania. Com este valor a empresa colocou 20 funcionários a disposição no Ministério e dois na secretaria de Cultura. Os tentáculos da empresa fundada pela esposa de Noblat também alcançam o Ministério da Educação, local que vazou informações que resultaram na queda do ex-ministro Ricardo Veléz Rodrigues. Além dos dois Ministérios, a empresa atende também autarquias e conselhos ligados ao governo Bolsonaro e já manteve. “contratos com a Caixa Econômica Federal.

Outros Ministérios e setores do governo são atendidos pela empresa através de TEDs realizados por outros Ministérios à Cidadania para utilizar serviços de filmagem, press release, edição e outros serviços de comunicação. Dessa forma, a empresa abraça boa parte do governo com seus tentáculos, recebendo infomrações sigilosas, antecipadamente, pois, de um modo geral há o tempo de edição e aprovação do material.

Em 2002, a empresa de Rebeca era uma pequena assessoria de imprensa, mas a partir do primeiro ano do governo Lula, começou a administrar contratos milionários do governo e está ainda hoje por licitações e prorrogações realizadas no governo Temer, que tiveram que ser efetivadas em 2019, como no caso do contrato 003/2019 debaixo do guarda-chuva do Ministério da Cidadania.

A reportagem, questionou a assessoria de Comunicação do Ministério pedindo respostas sobre essas questões e o jornalista Oswaldo Eustáquio, que assina esta coluna descobriu que o email: [email protected] é de responsabilidade não de um servidor de carreira ou de confiança do governo, mas de um jornalista contratado pela Informe Comunicação.  Ou seja, a comunicação do Ministério que cuida do Bolsa Família está na responsabilidade de um funcionário da empresa fundada pela esposa de Ricardo Noblat.

A notícia da empresa fundada pela esposa do jornalista da Veja repercutiu durante o dia todo pelo Twitter, e ganhou força, na noite de ontem, após publicação nas redes sociais do professor Olavo de Carvalho.

Rebeca Scratut, não faz mais parte da sociedade atualmente. Ela era sócia majoritária, mas hoje a empresa está em nome de Luiz Fernando Bazzi Morales e Guimar Barbosa Bazzi. No entanto, o diretor responsável pela empresa é Vitor Pacheco da Costa Fortes, homem de confiança da esposa de Noblat. A reportagem teve acesso a procurações de anos anteriores de Rebeca para Fortes representar a empresa em nome dela em licitações anteriores, nos períodos em que ela ainda era adminstradora da empresa. A reportagem procurou a empresa Informe Comunicação e conversou por telefone com o Fortes, que prometeu enviar um email até às 19 horas da noite de ontem respondendo os questionamentos, mas até o fechamento desta reportagem, não obtivemos resposta.

O contrato específico da Cidadania, que resultou no trágico vídeo de Alvim, vai vencer em fevereiro deste ano e pode ser finalizado ou prorrogado pelo ministro Osmar Terra.

A esposa de Noblat foi denunciada pelo Ministério Público por fraude de R$ 33 milihões no INCRA. Rebeca é especialista em atender governos socialistas e já faturou mais de R$ 13 milhões em contratos com Flávio Dino, governador do Maranhão pelo PC do B, que também estão sob investigação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *