Sindsemp reivindica  armamento para os novos Guardas Civis de Petrolina

Nesta segunda-feira (18), O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Petrolina (Sindsemp), através do presidente Walber Lins, e o diretor de política sindical Edson Santos, participaram da reunião na Secretaria Executiva de Segurança Pública.

Em pauta, o porte de arma individual,  munição,  fardamento e coletes a prova de balas para os 40 novos guardas civis.

“A reunião foi bastante produtiva, onde foi debatido o porte de armas e requisição de munição com o sindicato, tivemos um grande apoio do presidente do sindicato Walber Lins, indo agora para a luta juntamente com os secretários, em busca de um retorno que é o porte de arma dos novos guardas civis municipais
A categoria  reivindica condições adequadas de trabalho e por isso pediu o apoio do sindicato,” relatou o comandante da Guarda Civil Municipal, Inspetor Nascimento.

“Foi trazido pelos novos guardas uma reivindicação justa, que é a utilização de armas por eles, hoje devido a morosidade dos processos licitatórios, estão encontrando dificuldade com a  chegada de munição que serão usadas para que eles possam  cumprir com os requisitos  junto a Polícia Federal para terem o seu porte funcional que é emitido individualmente para cada guarda; é justo porque eles  já estão nas ruas  prestando um excelente trabalho, garantindo a segurança dos cidadãos petrolinenses e do comércio local, dando  segurança às pessoas que transitam pelo centro da cidade para resolver seus negócios; então é uma pauta justa porque temos que suprir esses novos guardas  nas suas necessidades, proporcionando a eles meios necessários para desenvolver de forma mais efetiva  suas funções,  mas sobretudo,  proporcionar a eles sua segurança pessoal. Não tem como o guarda prestar  segurança ao comércio se eles não têm condições de garantir sua própria segurança , que é motivada pela ausência de  armamento,” ressaltou o Inspetor J.Santos.

Em defesa dos direitos de servidores e servidoras, o Sindsemp está sempre atento às reivindicações da categoria.

Ascom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *