1482 – Tomás de Torquemada é nomeado inquisidor

Preocupada em se livrar das minorias religiosas, a Espanha compromete-se com a Inquisição na prática de “La Limpieza de Sangre”, a pureza do sangue
O rei católico Fernando V nomeia em 11  de fevereiro de 1482 novos inquisidores encarregados de erradicar a heresia em território espanhol. Entre eles, figura o futuro inquisidor-geral, Tomás de Torquemada. Símbolo do fanatismo religioso e da violência da Inquisição espanhola, ele teve grande responsabilidade na implantação e generalização da tortura e das fogueiras.

Em 1479, quando a Inquisição medieval vivia suas derradeiras horas, Fernando V e Isabel a Católica fundam a Inquisição espanhola. Este ato de nascimento ilustra a particularidade desta instituição: ela fica sob o controle do Estado e não da Santa Sé, ainda que ela tenha dado autorização. O contexto da Reconquista propicia igualmente o estabelecimento de objetivos bem precisos, orientados contra as minorias religiosas que são os judeus e os muçulmanos.

Os julgamentos da Inquisição adotaram então o nome de Autos da Fé. Preocupada em se livrar das minorias religiosas, a Espanha compromete-se com a Inquisição na prática de “La Limpieza de Sangre”, a pureza do sangue. Dando continuidade à política, a Espanha põe em vigor a emissão de certificados de pureza do sangue, que pretendiam demonstrar que a pessoa era portadora de sangue cristão, ou seja, que ela ou sua família não tinham se convertido recentemente ao cristianismo.

Wikicommons

Tribunal da Inquisição ou Auto da Fé da Inquisição, por Francisco Goya

Torquemada

O inquisidor-geral, Tomás de Torquemada, agiu com violência e queimou na fogueira cerca de duas mil pessoas no espaço de 15 anos, provocando certa reprovação da Santa Sé. Não obstante, seu poder se estendeu rapidamente levando à condenação de feiticeiras e da magia. A partir de 1529, a Inquisição assumiu outra missão: a luta contra os protestantes. Graças a esta instituição, a Espanha resistiu à reforma luterana e permaneceu firmemente católica.

Utilizando-se da tortura, fazendo pesar um verdadeiro manto de chumbo religioso e cultural sobre o país, atormentado pela figura cruel de Torquemada, a Inquisição espanhola perdurou por vários séculos. Com efeito, se a Inquisição medieval foi montada em benefício dos instrumentos de controle e da justiça do Estado, a Inquisição espanhola, embora braço do Estado, não tinha esta necessidade e limitação. Meio de preservar as tradições, mantém sua vigência até a conquista napoleônica. Restabelecida em 1823, só seria definitivamente suprimida em 1834.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *