Do casamento forçado a primeira marchinha: A extraordinária vida de Chiquinha Gonzaga 

Gonzaga compôs a primeira marchinha de carnaval e muitas outras melodias em uma época que o cenário musical brasileiro tinha uma presença feminina quase nula

Ingredi Brunato

Chiquinha Gonzaga, compositora brasileira
Chiquinha Gonzaga, compositora brasileira – Wikimedia Commons

Em 2020, o Brasil viu o lançamento do livro ilustrado “Ô abre alas”, da Saíra Editorial, obra que homenageia a compositora Chiquinha Gonzaga (1847-1945), que em sua extensa lista de criações tem a honra de incluir a primeira marchinha de carnaval já feita – cujo nome é, justamente, “Ô Abre alas”.

O ilustrador por trás do livro voltado para o público infantil é o paulista Duda Oliva, que deu entrevista para o site Aventuras sobre seu trabalho. “Senti que essa marchinha, com seu pedido por passagem, sua audácia ao misturar erudito e popular e o enfrentamento ao moralismo era a música que o livro pedia”, explicou ele.

Ô abre alas, de Chiquinha Gonzaga e Duda Oliva (2020) / Crédito: Divulgação / Saíra Editorial

Francisca Edwiges Neves Gonzaga teve a chance de ter seu despertar para a música já durante a infância. Ela veio ao mundo ainda no século 19, filha de um marechal do Exército Brasileiro e de uma escravizada alforriada.

Felizmente para si – e para a música brasileira – era a afilhada de uma figura de grande relevância no Brasil da época: Luís Alves de Lima e Silva, ou como era mais conhecido, Duque de Caxias.

Graças a esse fato, algo raro na vida de uma menina da sociedade brasileira da época, Francisca conseguiu frequentar aulas de piano desde pequena com o respeitável maestro Elias Álvares Lobo.

Outro importante contato musical seu foi com os ritmos de matriz africana presentes nas rodas de lundu, umbigada e outras que teve a oportunidade de conhecer, conectando-a melhor com as próprias origens.

Duque de Caxias / Crédito: Wikimedia Commons

 

Muito a respeito desse início de vida promissor desabou quando a compositora foi obrigada a se casar com apenas 16 anos de idade. Seu marido era um oficial da Marinha chamado Jacinto Ribeiro do Amaral, com quem ela teve três filhos.

No dia em que conseguiu permissão para ir ao mercado, todavia, acabou voltando com um violão, o que desagradou o militar. O casal acabou se separando, com Jacinto impedindo a ex-esposa de ver os filhos. Contudo, foi assim que a artista criou garra e entrou a fundo na música.

“Foi um período difícil para Chiquinha ao ser privada de sua música e de suas filhas, e sinto que este hiato só tenha aumentado nela o que ela sentia ao tocar. Muitas mulheres das camadas mais abastadas da época tocavam ao piano – dentro do rol das habilidades consideradas adequadas para a boa esposa -, porém Chiquinha foi das poucas que transformou isto numa forma de libertação e acho que este ato de liberdade encontra reflexo em sua vida pessoal”, explica Duda.

Virando lenda

Foi então que Chiquinha Gonzaga entrou em uma nova fase de sua vida – a fase em que se tornaria a própria “mãe da MPB”, segundo descrito pelo historiador Ricardo Cravo Albin em entrevista à Agência Brasil.

Ela passou a dar aulas de piano para se manter financeiramente, e logo começou a compor suas próprias melodias. Até o final da vida, criou 2 mil produções, experimentando vários gêneros diferentes: o xote, a valsa, o choro e o tango brasileiro.

Ela consagrou sua importância na música brasileira de tal forma que seu aniversário foi posteriormente declarado como Dia da Música Popular Brasileira.

Chiquinha experimentou a sensação de ser uma artista bem-sucedida já em vida, tendo atraído para seu círculo social um grupo de músicos que lhe davam o reconhecimento que merecia.

Mas foi além da arte: Gonzaga ainda mostrou-se uma vanguardista no que diz respeito a suas ideias, sendo abolicionista e defendendo causas populares.

Chiquinha abriu alas por onde passou. Abriu alas para as mulheres na arte como primeira maestrina. Abriu alas politicamente ao engajar-se em causas abolicionistas e na sua (re)existência como mulher. Abriu alas para a música brasileira ao brincar com ritmos brasileiros e negros na música erudita”, diz o ilustrador paulista. “Se naquela época o impacto de uma mulher independente, divorciada, de maternidade alforriada e politicamente engajada era imenso, hoje – em um cenário ainda patriarcal, racista e moralista – sua obra se faz ainda mais contemporânea”.

Ouça a famosa marcha “Ô Abre Alas” abaixo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *