O que é morte cerebral ou encefálica e qual o protocolo para confirmá-la

Após o acidente do apresentador Gugu Liberato, muito se tem discutido sobre o assunto. Entretanto, nos EUA, o anúncio público de falecimento só pode acontecer depois de 48h

Reprodução

Após a notícia de que o apresentador Gugu Liberato teria sofrido uma morte encefálica depois de cair de uma altura de quatro metros em sua casa nos Estados Unidos, muito se tem especulado sobre o assunto. A assessoria do apresentador, no entanto, informou na noite desta quinta-feira (21) que Gugu está vivo, mas em estado grave. Ainda, o protocolo divulgação de uma eventual morte cerebral é diferente em cada país. Nos EUA, o anúncio público de falecimento só pode acontecer depois de 48h do acidente.

Mas, afinal, o que caracteriza uma morte encefálica? Por critério, morte encefálica, ou morte cerebral, é a perda completa e irreversível das funções do cérebro, o que também é reconhecido como “a definição legal de morte”. Isto significa que, como resultado de grave agressão ou ferimento no cérebro, o sangue que vem do corpo e supre o cérebro é bloqueado, e o cérebro morre. Portanto, morte encefálica nada mais é do que a morte do cérebro.

Muitas vezes, no entanto, o paciente que sofreu morte encefálica ainda está respirando, por ter seu corpo ligado a um ventilador mecânico. Ele também pode estar com batimentos cardíacos, o que dificulta para que familiares e amigos acreditem que o paciente evoluiu a óbito.

Como confirmar uma morte encefálica?

Para confirmar uma morte cerebral, de acordo com a resolução nº 2.173, de 23 de novembro de 2017, do Conselho Federal de Medicina, o médico deve conduzir diversos exames médicos para ter o diagnóstico preciso. Esses exames são baseados em sólidas e reconhecidas normas médicas, que devem assegurar, entre outros tópicos, que o paciente deve estar em coma não induzido – sem medicação que faça ele dormir – e em apneia persistente, quando a pessoa já não consegue respirar sozinha, sem ajuda de aparelhos.

Ainda, a resolução exige como confirmação de morte encefálica que o cérebro não tenha reatividade a nenhum estímulo e que seja comprovado por meio de imagem que o paciente sofreu uma lesão cerebral conhecida e irreversível, capaz de causar morte cerebral.  Ainda, o paciente deve estar internado e em atendimento médico por no mínimo 6h antes da abertura do protocolo, sendo que a temperatura deve estar maior que 35°C, já que a hipotermia pode simular uma morte encefálica, e a pressão deve estar adequada a faixa etária.

Em muitos casos, os testes são realizados duas vezes, com intervalo de diversas horas, para assegurar um resultado exato. Portanto, o diagnóstico final pode demorar certo tempo para ser divulgado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *