Vitória vira, mas vacila no fim e amarga empate com o ABC

Fernanda Varela
(Maurícia da Matta/EC Vitória)

ABC empatou no último minuto de jogo

Que banho de água fria. O torcedor do Vitória estava pronto para ver uma virada épica no Barradão, mas levou um baque aos 46 minutos do segundo tempo. Com o empate em 3×3 com o ABC, o Leão fica com sete pontos na Copa do Nordeste e a classificação não está garantida.

Oito minutos. Esse foi o tempo que o ABC precisou para fazer dois gols no Vitória. O começo foi facinho, facinho. Ou melhor, Fessin, Fessin. Com apenas dois minutos de jogo, Lucas caiu em cima de Maxwell na área, o árbitro marcou o pênalti e o camisa 10 partiu para a cobrança e meteu uma bola alta, no canto do gol de Fernando Miguel. Difícil de defender.

O segundo veio aos oito. O goleiro Edson cobrou o tiro de meta e a bola quicou depois do meio-campo. Bruno Bispo furou e ninguém conseguiu acompanhar a bola. Bom para Higor Leite, que apareceu livre e mandou um chute de primeira da entrada da área.

O gol pesou. Irritou a torcida, que passou a vaiar o garoto Bruno Bispo, e surpreendeu o elenco, que tentou não se deixar abater.

O atacante Denilson chegou com perigo na área três vezes, mas não conseguiu marcar. Primeiro, ele aproveitou jogada de Nickson pela esquerda, e mandou um chute, que passou pelo canto de Edson. Depois, tentou com uma forte cabeçada e um chute a queima roupa, ambos defendidos como deu por Edson, que estava inspirado.

Tentou, mas ficou no quase. O time foi para o vestiário sob uma chuva de vaias, que veio da arquibancada. Com razão, como admitiu o zagueiro Ramon. “Eles têm razão de vaiar. A gente está muito mal em campo. Já tínhamos jogado contra eles e sabíamos da força do contra-ataque. O goleiro deles também salvou boas bolas”, comentou o jogador.

Esqueçam papo de facinho e de vaias. O segundo tempo foi digno de orgulho, mas não teve final feliz. As vaias e o papo com o técnico Vagner Mancini no intervalo surtiram efeito. Com oito minutos, Yago roubou a bola, tabelou com Neilton e recebeu o passe açucarado na entrada da área. Com velocidade, ele tocou na saída de Edson e deixou o primeiro do Leão.

Quando o jogo tinha tudo para esquentar, Bruno Bispo fez o Barradão inteiro sentir um frio na espinha. O zagueiro cometeu falha grosseira na entrada da área e deixou a bola nos pés de Erivélton. A sorte é que o jogador do ABC conseguiu perder o gol.

Quem não faz, toma. Aos 15, o que era tensão virou festa. Denilson caiu na área e o árbitro marcou o pênalti. Neilton chamou a responsa, correspondeu e marcou o gol de empate.

O ABC quase marca com Higor Leite, após cobrança de falta, mas Fernando Miguel mostrou muito reflexo e impediu o gol. Novamente, quem não faz…

Aos 31, a virada. Uillian Correia construiu linda jogada e tocou para Neilton, que aproveitou a saída de Edson, deu um toquinho por cima e partiu para o abraço: 3×2. Um pra cada letra.

Parecia que seria uma virada épica, mas o ABC foi lá e jogou um balde de água fria na cara do rubro-negro, sem a menor cerimônia. Aos 46, Arêz cruzou, Marcelo Fernandes tentou o cabeceio e Lauder apareceu para acabar a festa da torcida.

O próximo jogo do Vitória será contra o Bahia de Feira, pelas semifinais do Campeonato Baiano, em Feira de Santana. A data do jogo ainda não foi informada, mas a tabela base indica que acontecerá no próximo domingo, 18.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *