Ministério da Integração financia pesquisas no semiárido

A compra de equipamentos sofisticados e o financiamento para pesquisas inéditas são algumas das contribuições que o Ministério da Integração Nacional está fazendo como parte da construção dos dois eixos do Programa de Integração do Rio São Francisco. Os depoimentos sobre a satisfação por estar executando trabalhos tão importantes para a ciência, acrescentando dados desconhecidos ao conhecimento sobre o Nordeste, além de possibilitar a aquisição de novas tecnologias para dar mais qualidade a esses trabalhos foram obtidos entre participantes da 65ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que chega ao fim nesta sexta-feira (dia 26).

A fauna do semiárido não apenas passou a ser estudada como ganhou uma recursos, equipamentos e infraestrutura de alto nível científico. O professor Luiz César Machado Pereira, coordenador do Centro de Manejo de Fauna da Caatinga (Cemafauna) da Universidade do Vale do São Francisco (Univasf), conta que ações previstas no plano de compensação ambientais para obra do Programa de Integração do Rio São Francisco possibilitaram pesquisas inéditas e estudos aprofundados de subgrupos de animais (répteis, aves, mamíferos, peixes entomologia aquática e terrestre), além do resgate da fauna na obra em andamento. “Nosso sucesso em devolução de animais à natureza alcança o índice de 85%”, aponta o professor Luiz César. Ele acrescenta que, os animais que não foram salva passaram a fazer parte de coleções científica. “O Cemafauna possui a 3ª mais representativa coleção de répteis do país”, atesta.

A execução do trabalho de resgate e criação de passagens artificiais (depois da instalado o canal da transposição) também contaram com recursos do Ministério da Integração Nacional. O grupo do Cemafauna possui 40 alunos bolsistas, 26 técnicos, motoristas e mateiros compondo um grupo de 120 pessoas. Carros, microscópios, laboratório e instalações também têm do orçamento do Programa de Integração do Rio São Francisco. “Nós trabalhamos com um seqüenciador gênico próprio, na Univasf. Equipamentos iguais só existem no Recife e em Salvador”, cita Luiz César, tomando como exemplo uma sofisticada tecnologia adquirida com apoio do Ministério da Integração Nacional e que oferece mais qualidade científica à pesquisa, no sertão do Brasil.

Além do professor Luiz César, também se apresentaram na SBPC a coordenadora do departamento do Programa de Pós-Graduação em Arqueologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Anne-Marie Pessis, integrante do Instituto Nacional de Arqueologia, Paleontologia e Ambiente do Semiárido do Nordeste do Brasil (Inapas), que recebe recursos do Ministério da Integração Nacional para pesquisas arqueológicas na obra.

O Programa de Integração do Rio São Francisco, dessa forma, possibilitou ampliar o grupo de cientistas envolvidos com a pesquisa arqueológica, agregando físicos, biólogos, arquitetos e outros especialistas que passaram a interagir de maneira inédita, até mesmo para quem faz parte do que chama “a velha guarda da arqueologia”, cita Anne-Marie, em referência ao grupo vinculado ao Museu do Homem Americano, em São Raimundo Nonato, Piauí. A idealizadora do museu, por sinal, é a professor Niède Guidon, uma das homenageadas da 65ª reunião da SBPC, no Recife.

A pesquisa arqueológica foi capaz de desenterrar tesouros da megafauna do período quaternário, como preguiça gigante, um toxodonte, tigres-dentes-de-sabre e tatu pampatherium. Instrumentos feitos pelo homem do passado, como um lança com ponta de cristais de quartzo também se encontra na coleção retirada na área da obra. Além disso, o Inapas pode adquirir um equipamento para registros fotogramétricos, que além do registro fotográfico em alta precisão, é capaz de gravar de forma digital os relevos e contornos de onde o vestígio pré-histórico foi encontrado.

As instalações do Inapas em São Raimundo Nonato passaram a possuir os laboratórios de paleontologia, arqueologia, material lítico, vestígios orgânico, rupestres dos mais modernos do país. Esses estudos possibilitaram a criação de cenários do que foi o semiárido há 30 mil anos: uma região úmida, com vegetação para suprir as necessidades alimentares de animais herbíveros, alguns com cerca de seis metros”, conta a professora Anne-Marie Pessis.

A maior obra de infraestrutura hídrica do país, o Projeto de Integração do Rio São Francisco levará água potável a mais de 12 milhões de brasileiros nos estados de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *