O PSB e a corrosão de valores

A operação da Polícia Federal, ontem, no Recife, aponta que a eleição deste ano será marcada pelo debate da corrupção, do desvio ético e da moralidade. Mas em se tratando de PSB, nenhuma novidade. O partido tem suas digitais em outros escândalos locais e federais, como a Lava Jata, no plano nacional, e a Casa de Farinha, no estadual. O ingrediente que se apresenta novo agora é a da canalhice, da estupidez e da desfaçatez.

Meter a mão em dinheiro destinado a salvar vidas de gente que agoniza nos hospitais, arrastada para o túmulo pela Covid-19, é crime odiento, horrendo e inafiançável. O preço maior deve ser político, pago nas urnas com o povo usando a sua arma mais poderosa, o voto. Nunca se viu na história algo mais arrepiante, e até inacreditável: comprar respiradores usados em porcos para quem está entre a vida e a morte numa UTI pública.

Nem Hitler! Isso prova que o fascínio não morreu, que há gente capaz de tudo, inclusive de cometer genocídio. O Brasil, especialmente Pernambuco, cansou. Fim a insensatez sem limites! Nada floresceu para o bem nessa era socialista em Pernambuco. O vermelho do socialismo exercitado no Estado, com forte odor concentrado na Prefeitura do Recife, é o do ódio, da mentira, de políticas perversas e enganadoras.

O verdadeiro socialismo prega que nenhuma pessoa pode ser dona das máquinas e dos outros recursos utilizados na produção de bens de consumo.  É a humanidade, por assim dizer, a dona desses recursos. Aqui, isso é o inverso na era PSB, prática do capitalismo disfarçado. O socialismo daqui resultou em escassez, ineficiências e desperdícios assombrosos com o dinheiro alheio.

Desnecessário dizer que, quando não se tem compromisso social nem elevado espírito público, o preço maior quem paga é a sociedade, afundada em um empobrecimento progressivamente deteriorante, como se observa hoje num Estado que já foi no passado um leão e numa capital, orgulhosamente conhecida lá fora como a Veneza Brasileira. Os pobres por aqui não foram feitos para usufruir do que o poder emana, mas para sustentar o poder de políticos maus, insanos e irresponsáveis.

A triste realidade, por fim, é constatar que a corrupção política é apenas uma consequência das escolhas do povo. Meu avô dizia que o povo tem o governo que merece. A política, quando gera corrupção na célula social, é um verdadeiro câncer que destrói toda a sociedade e os seus valores morais. A corrupção moral, política, a da palavra e da alma, enfim, leva o povo, a família, amigos e amores à corrosão de valores. (Magno Martins)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *