Prefeito de Casa Nova é escrachado pela categoria dos professores

A APLB-Sindicato, Delegacia das Esmeraldas, vem a público fazer alguns esclarecimentos acerca da atual situação da Educação no nosso município. São vários os instrumentos que demandam para garantir uma educação pública laica,
gratuita e de qualidade. Entre tantos, alguns são imprescindíveis, para que o processo educativo ocorra de forma efetiva e satisfatória para os nossos alunos.

São eles basicamente: escolas em boas condições de funcionamento, merenda escolar regular e que atenda às necessidades nutricionais dos estudantes, transporte escolar de qualidade com garantia de transportar os alunos por 200 dias letivos como preconiza a LDB, material didático e de limpeza, para garantir as condições mínimas para uma escola funcionar, pessoal de apoio e professores com formação inicial e continuada para enriquecer os conhecimentos do quadro de pessoal que faz a Educação do município, salários até o último dia do mês, uma vez que, o FUNDEB é uma verba Federal, que cai categoricamente nos dias 10, 20 e 30 de cada mês.

A APLB-Sindicato, como entidade representativa dos trabalhadores em Educação, e com luta pela qualidade na mesma, vem há vários meses solicitando audiência com a Gestão Pública Municipal para que juntos possam dialogar e buscar garantir na medida do possível, uma Educação que atenda os princípios básicos de qualidade.
É notório que a Gestão não possui interesse pela Educação nem tampouco a vê como prioridade, uma vez que, não demonstra nenhum interesse em dialogar com a entidade representativa da categoria, para buscar soluções para os inúmeros problemas envolvendo a nossa educação.

Vale ressaltar que é preciso competência e sensibilidade para sanar a problemática da educação do município. Problemas estes, extremamente solucionáveis, bastando apenas interesse em honrar o compromisso de atender as demandas da população, função esta de todo e qualquer político. Faz-se necessário compreender que político é empregado do povo, e recebe as verbas públicas apenas para administrá-las em favor das necessidades
das populações, e não outrem.

A APLB-Sindicato há vários anos luta pela estrutura física das escolas. Estruturas essas que possam atender com dignidade os alunos, pois são eles quem pagam a conta. Citaremos um exemplo do descaso. A Escola situada na Localidade de Umbuzeiro. A referida escola foi nucleada recentemente, porém não tem as mínimas condições de
funcionamento. As crianças são matriculadas sem nenhuma preocupação por parte do município. É uma saleta insalubre, com vários buracos no chão, não tem banheiro, não tem cozinha, morcegos soltando suas fezes sobre as carteiras e crianças submetidas a uma situação dessa que é, degradante. No que diz respeito a merenda, embora a mesma seja de qualidade, recebemos denúncias de que a quantidade é insuficiente para o número de
estudantes. Foi relatado também, para a entidade que, a mais de quinze dias não há merenda em determinadas escolas.

Imagens de arquivo referente a bagaceira em escolas do município

No que diz respeito ao transporte escolar, sempre foi um caos no município. Até então, nunca houve um gestor que possibilitasse aos estudantes, o que garante a LDB, 200 dias letivos. Entra governo e sai governo e a novela continua. Nunca, os estudantes concluem a quarta unidade como devem, porque os gestores simplesmente não pagam os transportes e os motoristas são obrigados a pararem por falta de condições de manterem os transportes
rodando. E, os que estão ainda rodando, estão rodando com a capacidade duplicada de estudantes, correndo o risco de um acidente por isso. Podemos afirmar que o prefeito do nosso município não tem nenhum compromisso com o transporte escolar do educando, para eles pagamento dos transportes não se faz necessário, mesmo isso causando a falta dos estudantes por vários dias nas escolas, dificultando ainda mais o processo de aprendizagem dos nossos alunos. Temos ainda, o conhecimento que até os ônibus Caminho da Escola muitas vezes ficam na estrada por falta de combustível quando sabemos que as despesas com combustível são exorbitantes, até porque temos informações que estes transportes são usados para atividades alheias a Educação.

Chega a ser ridículo e revoltante essa situação. Atualmente temos problemas com os transportes das redes municipal e Estadual. Vale ressaltar que a Rede Estadual tem uma única empresa de transporte e o município tem várias (cada ônibus pertence a uma empresa,então, se paga há alguns, talvez os “amigos do rei” e outros não) com isto, muitos donos de ônibus não tem condições de manter o transporte em funcionamento e param.

Recebemos denúncias que tem diretor de escola pressionando os pais a virem trazer seus filhos na escola. Queremos aqui avisar que se isso continuar acontecendo, iremos levar tais denúncias ao Ministério Público, pois é dever do município garantir os transportes escolares e não dos pais. E será cobrado punição tanto para a Gestão como também, para aquele diretor que estiver persuadindo os pais.

No tocante ao material didático e de limpeza, chegaram informações que algumas escolas do interior não dispõem de nenhum dos itens. Quanto a questão de relação da Gestão com o quadro de pessoal da Educação não
podemos afirmar que está tudo bem. Vários são os fatores que atrapalham o bom relacionamento. Temos casos de professores que tiram o ano todo de licença-prêmio enquanto outros protocolam o pedido e todas as vezes é indeferido, e essa já foi uma questão acordada com a entidade, mas a gestão não cumpre acordo. Uns têm privilégios,
enquanto outros não são respeitados em seus direitos, pois não lhe é dada oportunidade de usufruir nenhum período aquisitivo da licença. Benefícios para os apadrinhados, enquanto outros não são reconhecidos os seus direitos. Outro problema que vem deixando a categoria insatisfeita é a falta de planejamento em relação ao dia do pagamento, pois
nunca sabemos com certeza o dia de recebimento dos proventos. É necessário que haja um calendário de pagamento, já que sabemos também que o FUNDEB não falha, está todo mês no último dia.
Este mês o repasse passou dos quatro milhões e até a presente data nosso salário não foi depositado em conta.
Exigimos respeito prefeito! Faça um planejamento com as despesas da prefeitura e elabore um calendário de pagamento para que possamos nos organizar.

Somos a APLB com orgulho de quem luta e conquista!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *