Presidente da Câmara de Curaçá rebate críticas

Valberto Mattos

Da Redação

O presidente da Câmara de Curaçá, Valberto Mattos (PSDB), procurou a redação do AP para fazer o uso do direito de resposta referente à notícia divulgada na semana passada por este órgão de comunicação, intitulada ‘Vereadores vetam projeto que iria beneficiar a população carente’. Segundo o vereador Arnaldo Galdêncio, o popular Baé (PP), na ultima sessão extraordinária do ano de 2011 da Câmara Municipal de Curaçá, 5 vereadores da oposição votaram contra projeto de autoria do executivo que tinha com o objetivo levar benefícios para a população da zona, sobre o assunto Valberto fez os seguintes esclarecimentos.

“O projeto encaminhado pelo executivo municipal contraria a lei 9.504 que proíbe todas essas ações no ano eleitoral, quando vereador Baé afirmou que nós vetamos o projeto, ele foi infeliz, acho que houve falta de conhecimento, isso não aconteceu. Atendendo uma solicitação do prefeito fiz a convocação extraordinária para que o projeto fosse apreciado e votado no dia 30 de dezembro, mas por decisão da maioria o projeto foi vetado por conta que em um dos parágrafos o gestor solicitava a doação de carradas de areia, aterro, dentro de outros e isso não pode acontecer em ano eleitoral”, explicou.

Na ocasião ele criticou o vereador Baé e listou outros itens que tinha no projeto. “Estamos próximo da eleição e esse projeto não pode ser aprovado, eu quero lembrar ao vereador que existem os programas do governo federal que beneficia as pessoas carentes, então Salvador (Prefeito) tem que ir atrás disso. Acho que a administração está voltando há 50 anos quando trocava votos através de favores e isso não desenvolve a comunidade. Queremos políticas publicas com mais responsabilidades, além do que citei acima o projeto solicita ainda medicamentos, pois temos farmácia básica e incentivo do governo que passa recursos para compras de remédio básicos”.

Valberto disse ainda que o vereador Baé citou que são 5 vereadores da oposição. “Eu não sou da oposição, estou fazendo o meu papel de legislador, se fosse encaminhado na gestão passada tenho certeza que não teríamos votado nesse projeto, eu sempre acreditei em Salvador. Agora quero saber como é que ele vai melhorar o município doando itens às pessoas que precisam, acho que temos que fazer um trabalho educativo no município e não fazer campanha eleitoral”.

Sobre as máquinas, Valberto foi sucinto: “Na verdade uma máquina ia para um determinada pessoa, e as mesma tinha que pagar 20 L de óleo para trabalhar durante 1 hora e isso é errado”. Com relação aos carros pipas, ele foi irônico “Pegaram uma senhora que estava na prefeitura apelando por água e tiraram uma foto com a mão na cabeça como se estivesse desesperada, o que muitos não sabem é que ela é tia do vereador César Mendonça, isso é um absurdo. Vou legislar da mesma forma que legislava nas gestões passada e sem dúvida defender os interesses do povo”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *