Presidente da Compesa diz que prefeito está misturando as coisas o que pode prejudicar a população

roberto_tavares_compesa

Da Redação

Em entrevista ao Jornal AP, o Presidente da Compesa Roberto Tavares, falou dos investimentos que a Companhia Pernambucana de Saneamento – COMPESA vem prestando a população petrolinense, esclareceu sobre o imbróglio entre a administração municipal e a empresa de saneamento e teceu algumas criticas contra o prefeito Júlio Lossio (PMDB). “Tem que saber separar a política das questões administrativas, pois as discussões políticas têm as campanhas, o palanque e o voto para se decidi. A decisão do decreto tem que ser discutida aqui em Petrolina e vou procurar o prefeito para mostrar a ele o risco que ele está trazendo para a população. Estamos trabalhando sem a política e para que Petrolina tenha o melhor serviço de abastecimento de água”.

No que diz respeito ao rompimento de contrato entre a Prefeitura e a Compesa, ele afirmou que a população de Petrolina não pode ser prejudicada pelo um conflito político. “Estamos em uma situação de conflito, onde vou ter que dizer se vou suspender os investimentos para população de Petrolina e eu estou me recusando a fazer isso porque a prefeitura publicou um decreto querendo tomar o serviço. O decreto diz que a Compesa não tem capacidade de tomar de conta do abastecimento de água e de esgoto da cidade, portanto querem romper o contrato, mas enquanto eu licito, tenho que colocar outra empresa para operar tenho que escolher uma que tenha capacidade, aí vem a prefeitura e escolhe a Compesa, então seja, é contraditório essa questão de rompimento”, esclarece.

O Presidente vai mais além e afirma que ficou surpreso com a decisão do decreto realizado pela prefeitura, pois o mesmo processo já tinha sido concluído pela Agência Reguladora de Águas do Município – ARMUPE, desde o mês de julho do ano passado. “Fomos surpreendido com essa decisão nas vésperas das eleições, pois esse processo já tinha sido concluído pela Armupe desde o ano passado. Isso é ruim para a população de Petrolina porque os órgãos que colocam dinheiro através dos tribunais de conta poderão decidir pela suspensão desses repasses para a continuidade das nossas obras e com certeza quem sairá prejudicada é a população, mas estamos lutando para manter esses investimentos independentemente dessa questão que foi colocada pela prefeitura”.

Com relação aos investimentos de Petrolina, Tavares foi direto e exemplificou algumas situações que a Compesa passa. “Os números apresentados pela Armupe em algumas entrevistas não são verdadeiros porque a empresa não tem uma apuração contábil por município, nós temos uma apuração para o estado inteiro, pois a nossa tarifa é única em todo estado, não é interessante defender uma tarifa diferente para todo o setor de saneamento porque prejudica as populações mais distantes e mais pobres. Veja bem, como é que vamos explicar que estamos ao lado do rio em Petrolina, Orocó ou Cabrobó e tenho uma tarifa menor, se fosse assim o que eu iria dizer para a população que está em rajada, Izacolandia, dentre outras cidades que também são pernambucanos, então são coisas como essas que poderiam ser discutidas sem emoção e sem colocar a política no meio”. Sobre a receita da Compesa, o presidente foi contraditório.

“Arrecadamos R$ 4 milhões por mês, mas só de energia temos um gasto de R$ 15 milhões por mês. Nós temos 173 municípios dos quais 15 ou 20 são rentáveis como é o caso de Petrolina, mas nós temos 150 irmãos pernambucanos que tem direito ao abastecimento de água e ao saneamento; e seu tivesse que cobrar deles uma tarifa maior eu iria inviabilizar, ou seja, esse é um sistema que funciona mundialmente como subsidio cruzado”.

Por outro lado, o presidente listou alguns investimentos. “Já estamos fazendo a obra de esgotamento sanitário que é uma obra grande e bonita, estamos começando a construção do sistema vitória que é uma nova estação de tratamento de água que vai aumentar em 60% a capacidade de produção, estamos andando nos bairros, temos um sistema eletrônico – onde sabemos qual o estado que a pressão chega em cada bairro, dentre outras. Agora temos vários problemas que estão sendo resolvidos a prova disso é que no mês passado tivemos 54 reclamações com relação a falta de água, portando o nosso serviço social está junto das comunidades, é lamentável o que as pessoas andam dizendo sobre o serviço que a Compesa oferece porque o sistema de Petrolina melhorou muito e vai melhorar muito mais ”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.