Produtores de manga se reúnem em Juazeiro para planejar ações que possibilitem melhorias na produção em 2020

Produtores de manga da Bahia, Pernambuco e Ceará estiveram reunidos nesta quinta-feira, 05/12, no Centro de Excelência da Fruticultura do SENAR, em Juazeiro (BA), para fazer uma avaliação dos resultados obtidos neste ano de 2019 e planejar ações que possibilitem alcançar uma melhor produção em 2020.

“Nós reunimos os produtores para discutir os problemas que são ocorridos no ano de produção de manga no Vale do São Francisco e a gente tentar, em parceria, com os grupos de pesquisas da Embrapa, Univasf e Uneb, conseguir tirar as dúvidas dos produtores e ajudar a melhorar a cadeia produtiva da manga no Vale do São Francisco e no Brasil também”, explicou o produtor e consultor Rogério Martins, um dos organizadores do evento.

Durante todo o dia, os produtores participaram de palestras e debates com pesquisadores e consultores, para tentar evitar problemas que possam atrapalhar uma boa safra no ano que vem. Patrick Maciel produz manga no município de Rio de Contas, região da Chapada Diamantina, na Bahia, e não perdeu a oportunidade de aprender um pouco mais sobre a fruteira.

“Nós sentimos que nossa região ficou meio parada no tempo e aqui, através de encontros como esse, vimos a oportunidade de levar novas tecnologias para a nossa região. A seca castigou muito e isso nos desmotivou em investir durante alguns anos, só que agora não dar mais para tocar do jeito que estávamos levando. Então a gente veio em busca de conhecimento para melhorar”, disse o produtor.

Foram abordados temas como entomologia de pragas, exigências de mercado para exportação, certificações para exportação, preço no mercado interno e externo e novas tecnologias que estão sendo desenvolvidas por pesquisadores. O engenheiro agrônomo e produtor rural, Eduardo Ferraz, um dos mais conceituados consultores de manga do Brasil, palestrou sobre desafios técnicos para se obter e manter altas produtividades.

“É importante discutir esse assunto porque para se manter a competitividade da cultura a nível mundial, é preciso que se tenha altas produtividades. Porque o custo de cultivar manga aqui em nossa região é mais alto do que em qualquer lugar do mundo. Então a competitividade do Vale depende de manter alta produtividade e qualidade para que a gente possa ocupar um espaço importante e manter esses espaços no mercado internacional de manga”, frisou Eduardo.

Esse é o segundo encontro realizado na região pelos consultores Eduardo Ferraz, da Clorofila Agropecuária e Consultoria, Rogério Martins, da Produtiva Agrícola e Consultoria e Vaomar Souza, da VS Consultoria, direcionado a produtores de manga do Vale do São Francisco e de outras regiões do Nordeste.

“É o último momento de 2019 que estaremos juntos com essa turma, discutindo os problemas que ocorreram durante o ano todo e também já sinalizando a perspectiva a nível tanto de mercado, quanto de dificuldades que a gente possa ter de manejo para o ano seguinte”, explicou o consultor Vaomar Souza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *