Lula diz para PT não confrontar Bolsonaro e acredita em reação das ruas

lula

CRÉDITO: AFP

Da sala onde cumpre pena na sede da Polícia Federal, em Curitiba, o ex-presidente Lula determinou à presidente do partido, Gleisi Hoffmann, que não parta para o confronto com o presidente Jair Bolsonaro. Lula considera que não precisa e acha que as ruas farão esse papel no futuro próximo.

Em conversas reservadas, no entanto, petistas acham que a reclusão fez mal ao faro político de Lula. É que, se a economia deslanchar — e os indicadores hoje são os de que isso tem tudo para dar certo — quem terá dificuldades nas ruas será o PT e não o atual inquilino do Planalto.

“Brazil is back”

Esse será o slogan que o governo Jair Bolsonaro levará a Davos, onde o ministro da Economia, Paulo Guedes, planeja um discurso semelhante àquele em que recebeu o cargo: ajuste fiscal, reformas, economia de mercado e ambiente propício a investimentos.

Bolsonaro na arbitragem

O árbitro da queda de braço entre militares e a área econômica sobre a reforma previdenciária será o presidente Jair Bolsonaro. Disposto a não cometer injustiças, ele tem dito a amigos que primeiro será preciso conhecer o texto, para, depois, discutir.

Fórmula

Uma das tendências do presidente é chamar todos para debater o tema, da mesma maneira que fez em relação à fusão da Embraer com a Boeing. Assim, dizem aliados de Bolsonaro, fica tudo transparente para todos.

Siga o Flávio

Senadores ligados ao presidente Jair Bolsonaro começam a seguir a linha do senador eleito Flávio Bolsonaro contra a candidatura de Renan Calheiros. Porém, não querem saber de outro nome do MDB, tampouco têm simpatia pela candidatura do senador Major Olímpio. A ordem é pressionar o PSL a apoiar Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Laços antigos/ O senador Edison Lobão (foto), do MDB-MA, fez questão de comparecer à transmissão do comando do Exército. Lobão não foi reeleito, mas é do tipo que leva à risca o ensinamento, “perde-se o mandato, mas não os amigos”.

General emociona…/ O discurso do general Eduardo Villas Bôas ao se despedir do comando do Exército arrancou lágrimas de muitos ministros e de dezenas de pessoas na plateia. Foi aplaudido de pé por quase 10 minutos, algo jamais visto nas trocas de comando.

… ao fazer história/ Villas Bôas é considerado por militares e civis como o fiador da estabilidade do país no governo Dilma-Temer, ao deixar que os agentes políticos resolvessem seus problemas dentro do jogo democrático. Sai do cargo com o respeito e a admiração de todos pela forma republicana e corajosa como exerceu o comando. Sucesso ao novo comandante, general Edson Pujol.

Enquanto isso, no GDF…/ A deputada Bia Kicis (PRP-DF) cumpre à risca sua defesa do projeto Escola sem Partido. Depois da troca de comando no Exército, ela foi à Procuradoria Distrital de Defesa do Cidadão, comandada pelo promotor Eduardo Sabo. Pediu que o MP intermedeie a edição de um compromisso formal do secretário de Educação, Rafael Parente, contra a ideologia de gênero nas escolas. Esse assunto ainda vai dar muito o que falar no Parlamento e fora dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *